Vitamina D: 6 coisas que você deve saber sobre esse nutriente

Tenho certeza que você já ouviu falar da vitamina D — ou sobre alguém que estava com baixos níveis séricos dela. Pois é, trata-se de um assunto bem recorrente por essa vitamina ser de extrema importância para a nossa saúde, tendo diversas funções e trazendo muitos benefícios para no nosso organismo, como ser imprescindível para a nossa imunidade.

De acordo com o artigo Toxicidade da vitamina D, “estima-se que 1 bilhão de pessoas em todo o mundo sejam deficientes ou insuficientes em vitamina D”. E de fato, este dado é preocupante diante da sua importância. Vamos conhecer um pouquinho mais sobre ela?

1. O que é a vitamina D e qual é a sua importância?

A vitamina D é um composto orgânico essencial para o nosso organismo para que nosso metabolismo funcione corretamente. Ela também é chamada de colecalciferol e é lipossolúvel, ou seja, sua absorção se dá por meio gorduroso. Isso quer dizer que a melhor hora para tomarmos o suplemento de vitamina D é acompanhado de uma refeição que contenha gordura.

A vitamina D também é considerada um hormônio esteroide, que atua no metabolismo ósseo. Além disso, suas outras funções são:

  • Manter concentrações adequadas de fósforo e cálcio (responsável pela absorção intestinal) no corpo;
  • Regular o metabolismo ósseo;
  • Agir na força e na contração muscular;
  • Participar do metabolismo de vários órgãos;
  • Ajudar na melhora da imunidade, evitando, assim, doenças autoimunes;
  • Prevenir doenças oncológicas e cardiovasculares;
  • Agir como substância anti-inflamatória;
  • Prevenir a osteoporose;
  • Auxiliar na neuroproteção;
  • Ajudar no funcionamento da tireoide.

2. Quais são as fontes alimentícias de vitamina D?

aFonte: Shutterstock

Os alimentos que mais ajudam no fornecimento de vitamina D são ovos, leite e derivados, fígado, cogumelos, frutos do mar, carnes e peixes. Mesmo assim, é muito difícil por meio de dieta e de alimentos específicos atingir uma quantidade significativa de vitamina D para o organismo — e quem mais vai nos ajudar, nesse caso, é o Sol.

3. Então como podemos obter?

aFonte: Shutterstock

Para conseguirmos alcançar o nível sérico ideal de vitamina D, é importante que ela seja buscada da seguinte forma:

  • Exposição solar: a substância é produzida de maneira endógena após a exposição ao Sol, sendo esta a fonte mais importante desta vitamina;
  • Ingestão de alimentos que sejam fonte de vitamina D, conforme foram citados no item anterior a esse;
  • Suplementação adequada: aquela que seu médico ou nutricionista indicar e prescrever de acordo com a sua necessidade e individualidade.

4. O que causa a deficiência dessa vitamina?

A deficiência de vitamina D pode ser causada por inúmeros fatores, por exemplo:

  • Falta de exposição solar;
  • Baixa ingestão de alimentos fontes desta vitamina;
  • Suplementação inadequada com baixas doses;
  • Remédios que podem dificultar a absorção;
  • Dieta com baixo nível de gorduras e colesterol — pois é através da gordura encontrada no organismo que é feita a absorção desta vitamina;
  • Doenças e condições de saúde que prejudiquem sua absorção, como a doença de Crohn, doença celíaca, obesidade e pessoas que fizeram o procedimento de cirurgia bariátrica;
  • Deficiência de magnésio no organismo;
  • Envelhecimento.

5. Quais são os sintomas que podem aparecer no nosso organismo com a deficiência de vitamina D?

  • Baixa imunidade;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Infecções;
  • Cansaço, sonolência e desânimo;
  • Dores e fraqueza muscular;
  • Fraqueza nos ossos;
  • Problemas de memória;
  • Outras doenças relacionadas à deficiência de vitamina D (artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose múltipla e diabetes mellitus tipo 1).

6. Quais são os níveis adequados de vitamina D?

Para verificar se os níveis de vitamina D estão normais, abaixo (hipovitaminose), ou acima (hipervitaminose) do ideal, é necessário fazer o exame de hidroxivitamina D ou 25 (OH)D, que podem ser solicitados por médicos e nutricionistas.

Normalmente, os valores considerados para a concentração no sangue são: mínimo de 40 ng/ml e ideal de 60 ng/ml. Assim, é de extrema importância que se analise a dosagem de forma correta, pois a baixa e a alta dosagem podem acarretar sérios problemas de saúde para o  indivíduo.

***

Marcela Andrade Lopes, colunista semanal do Mega Curioso, é bacharel em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas, bacharel em Nutrição, perita judicial na área da Nutrição,  e pós-graduanda em Saúde Pública com ênfase em Estratégia Saúde da Família.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.