Venda de esposas: a bizarra prática de divórcio do século XVII

O título é tão perturbador quanto real. Porém, não há muito do que se esperar de uma raça que já vendeu, escravizou e tratou como animal outros seres humanos só porque tinham a cor da pele diferente.

Talvez o que mais assuste seja o quão recente foi a prática de vender mulheres, acontecendo a partir do século XVII e se estendendo até meados do século XIX. Em uma época em que o divórcio era caro e praticamente proibido, os britânicos e, em sua maioria, os pobres, colocaram uma coleira ao redor do pescoço de suas esposas e as conduziram até tavernas, praças e feiras para leiloá-las para outros homens.

E, por incrível que pareça, essa era uma alternativa considerada aceita pelo governo e pela sociedade, por se tratar de um método mais econômico de terminar uma relação estável que não funcionava mais.

“Vai levar, vai?”

(Fonte: History/Reprodução)(Fonte: History/Reprodução)

Na Grã-Bretanha da década de 1750 era necessária uma lei privada do Parlamento para se divorciar formalmente. O processo era muito caro e igualmente demorado, portanto, a venda de esposas surgiu como um falso divórcio que saía mais barato e driblava toda a burocracia.

A prática também se criou como uma forma de impedir que os ex-maridos perseguissem suas ex-mulheres que já estavam em outra relação, para exigir uma espécie de indenização por sua “infidelidade”, visto que ainda seguiam legalmente casadas com eles. 

O homem poderia cobrar do marido atual uma taxa por ter relações sexuais com sua esposa, mas isso só beneficiava os homens, visto que as mulheres não tinham o mesmo direito de recorrer aos tribunais em caso de adultério de seus maridos — como era de se esperar. Sendo assim, a venda de esposas contornava esse risco, ainda que de maneira informal.

Uma vida melhor

(Fonte: History/Reprodução)(Fonte: History/Reprodução)

Durante os leilões, o homem declarava quais eram as virtudes de sua esposa aos espectadores, trazendo até mesmo detalhes sórdidos para conseguir um bom preço por ela. Assim que a mulher fosse arrematada, o casamento anterior era considerado anulado, ainda que não formalmente, e o novo comprador se tornava financeiramente responsável por sua nova esposa.

E, ainda que as mulheres tivessem que concordar com o ato de serem vendidas para serem encaminhadas para o leilão, os homens simplesmente anunciavam a sua venda sem que ela fosse informada. Os historiadores ressaltam que o costume era aceito pelas mulheres por ser uma das poucas maneiras de acabar com um casamento infeliz. Além disso, na maioria dos casos, elas eram vendidas aos seus amantes.

A venda de esposas só começou a declinar em meados de 1856, quando o Matrimonial Causes Act foi aprovado pelo Parlamento Britânico, com processos de divórcio e julgamentos mais acessíveis à população. Contudo, a prática só se encerrou de vez em 1913.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.