Um passeio para conhecer e entender as Eras Reais britânicas

A monarquia britânica é antiga. Sim, mais antiga que a Rainha Elizabeth II. Piadas à parte, a história do universo da realeza britânica se inicia no Reino de Wessex, no distante século IX. Só viriam a ser compreendidos pela história como “eras” a partir de 1485, quando passaram a receber o nome do monarca ou grupo de monarcas que ocuparam o trono.

Mas nada disso existiria se, em 1215, não houvesse sido publicada a Carta Magna, o primeiro texto constitucional do Ocidente. Foi ela que lançou a pedra fundamental do que viria a ser o Parlamento inglês, originalmente chamado de “Grande Conselho”. E sem ela, bem, talvez não tivéssemos vivido o primeiro período importante da realeza britânica, a Era Tudor.

O início de tudo com a Era Tudor (1485 – 1558)

(Fonte: Getty Images)(Fonte: Getty Images)

O ano de 1485 marca a chegada dos Tudor ao reino inglês. Henrique VII foi quem deu início à linhagem que permaneceria mais de 70 anos à frente da monarquia.

A Era Tudor foi marcada sobretudo pela agitação religiosa causada pelo movimento da Reforma – que se estendeu da Alemanha para outros países, como a Inglaterra. Quando o papa se recusou a anular o casamento entre Henrique VIII e Catarina de Aragão, o rei resolveu romper com a Igreja Católica e criar sua própria igreja, da qual ele seria o chefe. Nascia aí a Igreja Anglicana – que, além de permitir que Henrique VIII se casasse com Ana Bolena, também abria espaço ao protestantismo na Inglaterra.

No entanto, os Tudor também nutriam muita intriga e discórdia entre si. A família de Henrique VIII se dividia entre um braço protestante, liderado por sua filha Elizabeth, e um braço católico, liderado pela sua família Mary. O único filho homem do rei morreu muito jovem e, como isso, 3 mulheres disputaram a sucessão do trono: Lady Jane Gray, Mary I e Elizabeth I.

Jane assumiu o trono, mas foi deposta depois de 9 dias, e acabou sendo executada por sua irmã Mary I, que então virou rainha. Mas Mary morreu 5 anos depois, após um governo impopular (ela ficou conhecida como Bloody Mary — sim, há um drinque que a homenageia). O longo reinado só veio para Elizabeth I, que comandou um período de grandes realizações ao país: derrotou a invencível Armada da Espanha, expandiu o Império Britânico e anexou a Escócia.

As artes também se renovaram e floresceram neste período, dando espaço ao que se chamou de Renascimento inglês. A impressão de livros aumentou muito, assim como a circulação de jornais.

A era Elizabetana (1558–1603)

(Fonte: Aventuras na História)(Fonte: Aventuras na História)

Elizabeth I teve um caminho difícil até o trono: sua mãe, Ana Bolena, foi executada quando era pequena e ela foi declarada como filha ilegítima do seu pai. Mas Elizabeth acaba assumindo a coroa como herdeira de Henrique VIII – e  se tornou tão importante que simboliza, sozinha, uma era própria.

A rainha Elizabeth I é vista como uma personagem complexa da história: ela nunca se casou, nem teve filhos, mas teve vários amantes. Além disso, sua grande rival era sua prima Maria da Escócia, que estava de olho na coroa inglesa e desenvolveu uma conspiração para destroná-la.

Mesmo com os conflitos, o período do reinado da rainha Elizabeth I é marcado por grandes feitos. Ela conseguiu proteger a Inglaterra contra uma invasão espanhola e abriu a mente do seu país para novas possibilidades, como as navegações em direção ao Novo Mundo: a América.

Como o país estava estável, esta foi uma época em que grandes inovações em vários campos – como na ciência, na arte, na música e na literatura – puderam florescer. Na era elisabetana, a Inglaterra construiu seu primeiro teatro, em 1576. Vale lembrar que esta também é a era em que William Shakespeare viveu – e o resto é história.

A era Stuart (1603–1714)

(Fonte: Fala Universidades)(Fonte: Fala Universidades)

Os Stuart já haviam governado a Escócia quando Jaime I assumiu o poder na Inglaterra, em um reinado marcado por muitos confrontos e guerras. O fanatismo religioso também foi uma marca deste período, em que as conspirações contra o governo eram frequentes.

Jaime I foi sucedido por Carlos I, que viu a eclosão de uma guerra civil — e o rei acabou executado por traição em 1649. No resto desse período, a Inglaterra viveu um longo período de problemas que pareciam nunca acabar: enfrentou a Grande Peste, que matou 15% da população de Londres; a cidade ainda foi devastada por um grande incêndio que destruiu a Catedral de Saint Paul e mais de 13 mil casas; a agitação religiosa parecia mais forte do que nunca.

Mesmo com tanta turbulência, a era Stuart também teve partes positivas, como os avanços na ciência, na arte e na arquitetura. Foi nessa época em que Isaac Newton descobriu a gravidade, a cor e a velocidade do som, e Edmond Halley calculou as órbitas dos cometas.

A Era Georgiana (1714–1837)

(Fonte: Stringfixer)(Fonte: Stringfixer)

A Era Georgiana designa um período da história que compreende os reinados dos primeiros reis da Casa de Hanôver do Reino da Grã-Bretanha: Jorge I, Jorge II, Jorge III e Jorge IV. É considerada o ponto mais baixo da reputação da monarquia, pois os reis eram pouco carismáticos e estavam envolvidos em vários escândalos.

Mas como tudo sempre tem dois lados, esta era também é considerada uma das mais progressistas. Só para se ter uma ideia das conquistas: foi nessa época que se iniciou a Revolução Industrial; o rei Jorge I ajudou a desenvolver a figura do primeiro-ministro, a quem o monarca delegava certas funções; um primeiro cidadão negro pode votar; o Reino Unido foi formado em 1801, juntando Grã-Bretanha e Irlanda. Houve também um aumento da consciência social em relação ao tráfico de escravos e períodos de grande crescimento econômico.

A Era Vitoriana (1837–1901)

(Fonte: Aventuras na História)(Fonte: Aventuras na História)

Como o próprio nome sugere, a Era Vitoriana envolve o reinado da Rainha Vitória, e é visto como um período de grandes contradições, mas também de muitas transformações na Inglaterra.

Por um lado, havia um aumento das riquezas decorrente dos avanços industriais; por outro, uma grande camada da população seguia extremamente pobre e passava fome. Os salários aumentaram, assim como as más condições de trabalho a que homens, mulheres e até crianças estavam submetidos.

Neste sentido, a Era Vitoriana tomou como meta a reforma social e a filantropia. Várias instituições de caridade foram criadas neste períodos, além de leis que protegessem trabalhadores infantis, garantissem educação gratuita e o acesso à saúde pública.

A Era Vitoriana assiste também à consolidação da Grã-Bretanha enquanto uma potência global. Por isso, é uma época em que os exércitos se fortalecem. É também uma etapa de avanços científicos, como a criação da anestesia, do anti-séptico e do uso de impressões digitais em investigações. Além disso, foi neste período em que Charles Darwin desenvolveu sua teoria sobre a origem das espécies.

A Era Eduardiana (1901–1914)

(Fonte: Stringfixer)(Fonte: Stringfixer)

A breve Era Eduardiana compreende o reinado de Eduardo VII que, apesar das baixas expectativas (pois o rei era um verdadeiro playboy), foi até que bem sucedido. Eduardo conseguiu restabelecer o respeito e a popularidade da monarquia após a morte de sua mãe, a Rainha Vitória.

O período deu continuidade às reformas políticas da Era Vitoriana, ao mesmo tempo que as demandas populares só aumentavam. É nesta época em que as mulheres começaram a pedir pelo sufrágio universal, ou seja, o direito ao voto. Também foi durante este período que se introduziu na Inglaterra o salário mínimo, as aposentadorias por velhice, a merenda escolar gratuita, a Lei do Seguro Nacional, dentre outros direitos.

A Era Windsor (1917-presente)

(Fonte: Aventuras na História)(Fonte: Aventuras na História)

Por fim, chegamos à era atual na Inglaterra, iniciada em Jorge V, sucessor de Eduardo VII. Ele escolheu o nome Windsor para se distanciar de sua ascendência alemã.

A Era Windsor começa com a Primeira Guerra Mundial, em que a Inglaterra sai vencedora, mas paga alguns preços. Os anos que a sucedem são de recessão econômica, desemprego em massa e greves constantes.

A guerra, inclusive, estimulou o avanço de ideias políticas, e o sufrágio feminino é finalmente conquistado. Em 1924, o Partido Trabalhista forma seu primeiro governo, e uma mulher se tornaria primeira-ministra pela primeira vez em 1979.

Quando Eduardo VIII abdica da coroa para se casar com sua amante, em 1936, seu irmão Albert assume o poder e se torna Jorge VI. Elizabeth II sucede sem pai em 1952, quando tinha 25 anos. Ela segue no poder até hoje – é a monarca com reinado mais longo na Grã-Bretanha.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.