Ucrânia e Rússia: as origens de um conflito de quase um século

Nas últimas semanas, a imprensa mundial tem olhado com atenção para a escalada de tensão entre Rússia e Ucrânia. A possível invasão russa, que aparentemente foi abortada, exigiu que os EUA e a União Europeia criassem um esforço diplomático no velho continente.

Contudo, a crise atual tem raízes em conflitos anteriores que não foram bem resolvidos. Alguns do século passado. Nesses embates, a opinião dos ucranianos acaba ficando em segundo plano frente aos interesses das potências da região.

Ucrânia, Rússia e a herança soviética

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

A Ucrânia era uma das 15 repúblicas soviéticas. O período deixou profundas cicatrizes na história ucraniana. A “Grande Fome”, ou Holodomor em ucraniano,  (1932-1933) ceifou a vida de milhões de cidadãos daquele país. Em algumas regiões, a taxa de mortalidade foi de 30%. Em outras, aldeias inteiras foram dizimadas.

Desde 1991, ano que marca o fim da URSS, o país busca ser mais independente em relação aos russos. O problema é que essa independência esbarra nos interesses europeus, russos e dos EUA.

Protestos em 2014 contra o governo ucraniano (Reprodução: Publico PT)Protestos em 2014 contra o governo ucraniano (Reprodução: Publico PT)

Ucrânia e a União Europeia

A Ucrânia é o segundo maior país da Europa. Em sua parte ocidental, a população é mais próxima culturalmente da Europa, principalmente da Polônia. No Leste, parte da população é mais simpática aos russos, inclusive tendo o russo como primeiro idioma.

Desde 2007, a Ucrânia busca se tornar membro da União Europeia — o que diminuiria significativamente a influência russa no país.

Nas últimas duas décadas, eles alternaram entre governos pró-Rússia e nacionalistas. A influência russa na política interna causou protestos e até a anulação de uma eleição. Em 2004, a vitória de Viktor Yanukovich, pró-Moscou, foi anulada sob acusações de fraude.

Em 2014, essa tensão histórica ganha um capítulo importante: os russos invadem a Crimeia.

Por que os russos invadiram a Crimeia?

(Fonte: Guia do Estudante)(Fonte: Guia do Estudante)

A Crimeia é uma região ao leste da Ucrânia. Nela, uma parte significativa da população mantém laços culturais com os russos. Essas ligações foram a justificativa dada por Moscou para tomar o território para si em 2014.

A invasão gerou uma guerra entre ucranianos e separatistas que culminou em mortes e sequestros de prisioneiros. Em 2015, um acordo de cessar-fogo foi assinado, mas ele nunca foi totalmente respeitado.

OTAN

Agora, os russos querem que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar para a OTAN. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), ou Aliança Atlântica, é uma aliança político-militar que reúne 10 países europeus mais os Estados Unidos e o Canadá. Foi criada para controlar o avanço dos soviéticos em 1949 e evitar o surgimento de regimes populistas na Europa. A aliança também proporciona defesa coletiva entre os membros.

Isso significa que se a Ucrânia fizer parte da OTAN e os russos a invadirem, Moscou declararia guerra a todos os membros da aliança.

Ao mesmo tempo, a Rússia faria fronteira com um país membro da Otan — o que é visto por eles como uma ameaça à sua segurança e uma vantagem militar para a organização.  

Gás russo

Para a Europa, a crise atual traz um risco energético, pois o continente depende do gás natural russo. No meio de tantos interesses e ressentimentos históricos, está a população da Ucrânia, que aguarda por uma solução pacífica verdadeira e duradoura para a crise.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.