Tubarão-fantasma: cientistas encontram raro bebê da espécie

Um exemplar raro de um bebê de tubarão-fantasma foi encontrado por cientistas nas proximidades da costa leste da Ilha Sul da Nova Zelândia. A minúscula criatura foi achada com poucos dias de vida a uma profundidade de 1,2 km no fundo do oceano.

De acordo com os pesquisadores do Instituto Nacional de Água e Pesquisa Atmosférica do país, a barriga quase transparente do animal apresentava uma quantidade significativa de gema de ovo, indicando que ele havia se alimentado há pouco tempo.

(Fonte: Brit Finucci/NIWA)(Fonte: Brit Finucci/NIWA)

Os embriões dessa espécie passam suas primeiras fases de desenvolvimento em cápsulas de ovos colocadas pela fêmea no fundo do mar. Enquanto não estão prontos para romperem o ovo, eles se nutrem comendo uma gema.

A equipe de cientistas disse à imprensa que o animal foi encontrado por acaso quando estavam na região fazendo pesquisas de arrasto, visando analisar o tamanho e o comportamento das populações de peixes hoki no local.

Cápsulas onde o tubarão-fantasma se desenvolve. (Fonte: Brit Finucci/NIWA)Cápsulas onde o tubarão-fantasma se desenvolve. (Fonte: Brit Finucci/NIWA)

Segundo a cientista de pesca, Dra. Brit Finucci, integrante da equipe que encontrou o recém-nascido tubarão-fantasma, ela já havia tido a oportunidade de encontrar outros exemplares da espécie em seu trabalho. Mas esse caso chamou sua atenção pelo tamanho e por ainda ter poucos dias.

O que são os tubarões-fantasma?

Os tubarões-fantasma são criaturas semelhantes às espécies de tubarões e raias mais conhecidas, a principal diferença é que são seres cartilaginosos e, por isso, têm a aparência estranha e etérea, como se fossem animais de outro planeta.

(Fonte: Brit Finucci/NIWA)(Fonte: Brit Finucci/NIWA)

A alimentação dele consiste basicamente em vermes e moluscos que vivem no fundo dos oceanos. Quando adultos, podem atingir até 2 metros de comprimento, sendo possível encontrá-los em todo o mundo. No entanto, raramente aparecem em regiões costeiras com águas rasas.

De acordo com a Dra. Finucci, em entrevista à BBC News, os próximos passos envolverão pesquisas com amostras genéticas e de tecidos do animal para que os pesquisadores possam entender melhor a espécie.

(Fonte: Brit Finucci/NIWA)(Fonte: Brit Finucci/NIWA)

Segundo a especialista, acredita-se que os tubarões-fantasma tenham divergido dos tubarões tradicionais há cerca de 400 milhões de anos, e hoje integram uma classe chamada de chondrichthyes (peixes cartilaginosos), que abrange outras espécies de tubarões, peixes-serra e raias.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.