fbpx

Stranger Things da vida real: os poderes de Nina Kulagina

A década de 1970 ficou marcada pela supervalorização do sobrenatural. Tudo que envolvesse possessão demoníaca, fenômenos paranormais e espíritos se tornou um atrativo, principalmente após o lançamento do clássico filme O Exorcista — adaptação do clássico livro de William Peter Blatty. 

Rapidamente, uma “onda” de conteúdo envolvendo esse tipo de assunto tomou conta de prateleiras de livrarias e das telas dos cinemas dos Estados Unidos, com filmes como The Dunwich Horror e Equinox.

No meio da década, o lançamento do livro Carrie, a Estranha, de Stephen King, no apogeu da Guerra Fria, trouxe uma nova “onda”, só que focando em um assunto que há anos perturbava até mesmo os governos mundiais (especialmente o da União Soviética): os poderes da mente. Foi nessa época que os norte-americanos desenvolveram o Projeto Stargate para controle de mentes, que custou mais de US$ 80 milhões para os cofres públicos, tornando-se um dos mais controversos experimentos da história no campo de estudos de percepção extrassensorial (PES).

Quando os idos anos de 1980 chegaram, a obsessão governamental pelos escrutínio da força da mente já havia-se transformado em cultura popular, com Uri Geller entortando colheres com “poderes psíquicos” em programas de auditório nos Estados Unidos.

Os poderes de Kulagina

(Fonte: BAOMOI/Reprodução)
(Fonte: BAOMOI/Reprodução)

Nascida em 30 de julho de 1926, em Leningrado (atual São Petersburgo), na então União Soviética, Nina Kulagina acreditava que havia herdado de sua mãe a habilidade psíquica de mover objetos apenas com impulsos mentais. Apesar de já ter ouvido de sua mãe sobre a capacidade oculta que ela tinha, Kulagina só foi perceber que também tinha esse tipo de poder durante um pico de raiva, quando as coisas se moveram ao seu redor, caíram, tremeram e foram arremessadas.

Após servir o Exército Vermelho, entrando para o regimento dos tanques de guerra durante a Segunda Guerra Mundial, quando tinha apenas 14 anos, Kulagina cresceu e se tornou uma dona de casa comum. Nesse ínterim, ela educou a própria mente, pois notou que os poderes só funcionavam após períodos de meditação em que ela limpava sua mente de todos os pensamentos, e que as “tempestades de raiva” só lhe causavam dor na coluna e turvamento de sua visão, interferindo em sua capacidade.

(Fonte: Ghost Hunters Roma
(Fonte: Ghost Hunters Roma

No início de 1970, Kulagina foi recrutada pelo governo soviético para ter sua suposta capacidade psicocinética estudada. Em 10 de março daquele ano, ela foi colocada em uma sala do Instituto Militar Ukhtomskii, em Leningrado, para uma série de testes. Primeiro, os cientistas extraíram o coração de uma rã, depositaram em uma solução que o manteria batendo por até 1 hora, e pediu para que a mulher o fizesse parar só com o poder da mente.

Após um período de concentração de 20 minutos, com o coração do anfíbio sendo monitorado através de eletrodos assim como o de Kulagina, os médicos relataram que a frequência cardíaca dela aumentou drasticamente logo que ela focou o olhar no sapo. Em 7 minutos, o coração dele parou de bater.

Na sequência, um médico cético foi conectado a aparelhos de ECG (eletrocardiograma) e Kulagina foi instruída a elevar a frequência cardíaca dele. Em apenas 2 minutos, a aparelhagem indicou que o coração do médico batia a uma taxa perigosa, portanto o experimento foi encerrado.

A ameaça internacional

(Fonte: Pinterest/Reprodução)
(Fonte: Pinterest/Reprodução)

A União Soviética produziu diversas gravações mudas, em preto e branco nas quais Kulagina mostrava seus poderes telecinéticos, como a movimentação de objetos em uma mesa sem tocá-los. Sob o olhar minucioso de 40 cientistas, dos quais 2 eram ganhadores do Prêmio Nobel, a mulher foi filmada separando as claras das gemas de ovos quebrados submersos em água, enquanto os cientistas registravam relatórios de aumento crítico do batimento cardíaco e das ondas cerebrais dela, além de alterações de campo eletromagnético.

Para conseguir remover um palito de fósforo de uma pilha de palitos sob uma redoma de vidro, Kulagina foi confinada em uma gaiola de metal para que os campos eletromagnéticos externos não interferissem no movimento psíquico dela.

(Fonte: Splendid Magazine/Reprodução)
(Fonte: Splendid Magazine/Reprodução)

Como esses filmes foram gravados em um ambiente fortemente controlado pelas autoridades militares soviéticas e a “nata” científica da época, eles acabaram causando um furor na comunidade de pesquisadores psíquicos ao redor do mundo. A maioria deles acreditava que o estudo de Kulagina apresentava evidência empíricas sobre a existência de fenômenos telecinéticos.

As gravações foram recebidas pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos com dúvida e muita cautela. Apesar de desde 1930 os soviéticos estarem estudando os poderes extrassensoriais de maneira altamente secreta para potencialmente usá-los na composição de um arsenal de espionagem internacional, os norte-americanos também temiam que aquilo não passasse de enganação. De qualquer forma, se o intuito era chamar a atenção deles, o feito tinha dado muito certo.

A “bonita charlatã de olhos escuros”

(Fonte: Nova Mais/Reprodução)
(Fonte: Nova Mais/Reprodução)

Por outro lado, nem todas as opiniões científicas estavam do lado de Kulagina. A Fundação Educacional James Randi e o Comitê Italiano para Investigação de Alegações sobre o Paranormal (CICAP) expressaram total ceticismo em relação aos estudos soviéticos, tendo um artigo de Massimo Polidoro declarando que o tempo longo de preparação do local do experimento e a ambientação informal (normalmente tudo acontecia em quartos de hotel) deixavam muitas brechas e aumentavam o potencial para trapaças.

A comunidade de mágicos apoiou os cientistas e argumentou que as façanhas desempenhadas por Kulagina poderiam ser facilmente ser realizadas por alguém experiente em ilusionismo e prestidigitação (capacidade de mover muito rapidamente as mãos), controlando o “fenômeno” através de fios, espelhos e outros artefatos. Afinal de contas, a Guerra Fria havia estabelecido a “corrida psi” depois da corrida espacial e a armamentista — embora esta ainda fosse recorrente. Assim ficava claro a possibilidade de os soviéticos manipularem, exagerarem ou falsificarem qualquer resultado para aumentar o valor de propaganda.

(Fonte: BAOMOI/Reprodução)
(Fonte: BAOMOI/Reprodução)

O político Vladimir Nikolaevich Lvov publicou no jornal Pravda (o mais famoso meio de comunicação da antiga União Soviética) um artigo que acusava Nina Kulagina de cometer fraude, dizendo que ela teria sido muito bem paga para encenar aquela personagem. Enquanto isso, o escritor de Ciência, Martin Gardner, descreveu a mulher como uma “bonita charlatã de olhos escuros”. Segundo ele, Kulagina teria sido pega mais de uma vez pelos militares soviéticos usando ímãs e fios ocultos durante os experimentos.

No entanto, a mulher não ficou calada diante das acusações. Em meados de 1987, ela processou a Pravda por difamação e obteve uma vitória parcial no caso. Apesar de Nina Kulagina ter caído no descrédito e esquecimento logo em seguida, exatamente como aconteceu com Eleonore Zugun e os centenas de projetos malfadados do país, isso não tirou do “pescoço” da União Soviética a placa mundial de “ameaça psicoenergética soviética”.

More in Fatos&Fatos.com