Qual é a diferença entre poema e poesia?

No nosso período escolar, é bom comum nos depararmos com alguns estilos de textos, e entre eles certamente estão o poema e a poesia. E, ainda que muitos possam pensar o contrário, não são a mesma coisa.

Quais as diferenças entre poema e poesia?

Em linhas gerais, um poema é um texto literário que contém versos, estrofes e, algumas vezes, rima. Já a poesia, por sua vez, nem sempre precisa estar baseada em palavras, já que também aceita formatos como pinturas e esculturas, apenas para citar alguns exemplos.

Tome por base, por exemplo, a pintura A Noite Estrelada, feita por Vincent van Gogh em 1889:

(Fonte: Toda Matéria/Reprodução)(Fonte: Toda Matéria/Reprodução)

Apesar de não conter nenhuma palavra, pode ser considerada uma poesia quando observamos todo o seu contexto, além de trazer uma abrangência muito maior aos sentidos de quem a observa. Claro, uma pintura não é a única forma de encontrar esse estilo, que também pode aparecer em uma fotografia, música, arte digital e até mesmo em uma peça publicitária.

Sendo assim, qualquer categoria de criação artística que possa causar algum efeito nas sensações, sentimentos e emoções do receptor pode ser considerada uma poesia.

Jogo de palavras

Já o poema, por sua vez, precisa necessariamente das palavras para existir. Além disso, ele possui algumas divisões de acordo com a sua temática. São elas:

  • Poemas épicos: trazem a história de um herói, sendo uma epopeia um bom exemplo dessa modalidade;
  • Poema lírico: nesse tipo de texto enxergamos um aspecto mais sentimental e subjetivo;
  • Poema dramático: possuem elementos que permitem uma encenação daquilo que foi passado para o papel.

Outro ponto importante para a sua existência é o fato de ser escrito em versos, que podem ser rimados ou não. Um exemplo clássico, por exemplo, é o Soneto da fidelidade, de Vinícius de Moraes:

“De tudo, ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive): 

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.”

E aí, conhecia todas essas diferenças? Mesmo para aqueles que não estão em fase escolar ou de vestibular, é sempre bom saber e conseguir diferenciar os estilos existentes em nossa literatura.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.