Punitivismo: o sistema dos que apoiam o rigor no sistema carcerário

Recentemente, o vereador do Rio de Janeiro Gabriel Monteiro, eleito em 2020, foi acusado pelos próprios ex-assessores — tanto homens, quanto mulheres — de ter cometido assédio moral, sexual e até mesmo estupro. Monteiro, que é ex-membro do MBL e YouTuber, é conhecido por seu estilo polêmico de política e é um dos grandes defensores do punitivismo.

Mas o que essa palavra significa? O punitivismo é o nome dado para quando apoiamos o discurso de que pessoas que infringem a lei deveriam ter penas mais duras e rigorosas, com fortalecimento da ideia de que o sistema carcerário é a melhor forma de punir esses indivíduos para “aprenderem uma lição”. Entenda mais a respeito!

Leia também: 6 crimes que você talvez tenha cometido e não sabia

Crescimento do punitivismo

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Conforme os anos passam, maior tem sido o apelo social para que o sistema carcerário seja mais severo. Porém, o punitivismo não tem exatamente um contexto histórico. Em resumo, seria apenas uma forma de pensar que o poder estatal deveria punir quem quebra as leis com medidas além daquelas previstas na legislação.

Então, por mais que o artigo 14 da Constituição Federal fale que o Estado tem o direito e dever de punir o infrator ou quem cometeu um crime, esse poder não é irrestrito — algo que seria contra o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, também encontrado na Constituição.

Em essência, o punitivismo nada mais é do que um populismo penal, de forma que outros problemas sociais, que criam condições para maior índices de criminalidade, seriam ignorados. Assim, a principal forma de combater a sensação de insegurança da população seria impondo punições cada vez mais graves àqueles que “andassem fora da linha”.

Os riscos do ideal punitivista

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Segurança pública é um tema que entra nos olhares da mídia com certa frequência e a globalização da informação é uma tendência do século XXI, sendo assim, é normal que o povo se sinta cada vez mais desprotegido. Com isso, sentimentos de vingança, medo e impunidade passam a ganhar força por parte da população e cabe às autoridades controlar esse problema.

No entanto, tentar mediar problemas sociais por meio de punições mais rígidas pode criar um efeito reverso. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), existem diversas outras medidas mais eficientes para enfrentarmos essas crises, como elevar os investimentos em educação e ações sociais em periferias.

Outro fator grave sobre o punitivismo é que ele pode acabar gerando um círculo vicioso e desigual na sociedade. Quando falamos sobre o sistema carcerário brasileiro, precisamos lembrar do alto nível de descaso social, superlotações e cenários extremamente nocivos para a saúde física, mental e integridade moral dos encarcerados. 

Logo, ficar mais tempo dentro de uma prisão dificilmente cumpre o objetivo de reinserir esse sujeito na sociedade — o que aprofundaria desigualdades sociais, injustiças e incentivaria a marginalização de uma parcela da sociedade. Sendo assim, o punitivismo seria mais uma forma de um governo escapar de suas responsabilidades sociais do que realmente cumpri-las. 

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.