Por que o nazismo é proibido na Alemanha e em outros países?

As declarações feitas pelo ex-apresentador do Flow Podcast, Bruno Aiub, mais conhecido pelo nome Monark, e pelo deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), durante a edição do programa de entrevistas nesta segunda-feira (07), deram o que falar. Em dado momento da conversa, Monark defendeu a legalização da criação de um partido nazista no Brasil e Kataguiri declarou achar um “erro” a criminalização do nazismo pela Alemanha após a Segunda Guerra Mundial.

A linha de raciocínio era que qualquer tipo de pensamento, mesmo sendo antidemocrático e preconceituoso, tivesse espaço na sociedade sem “discriminação”. Porém, não demorou muito para que instituições como a Confederação Israelita do Brasil (Conib) lançassem notas condenando as opiniões emitidas durante o podcast. Afinal, por que a Alemanha e outros países criminalizaram até hoje os discursos nazistas? Vamos falar mais sobre esse assunto nos próximos parágrafos.

Leia também: 3 incríveis heróis de guerra durante o Holocausto

Falsa liberdade de expressão

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

A dificuldade para diferenciar o que é liberdade de expressão e o que é apenas um discurso de ódio foi um dos motivos pelo qual a Alemanha se tornou responsável por um dos maiores governos genocidas no mundo durante a Ditadura Nazista de Adolf Hitler.

Por isso, proibir o nazismo era mais que uma questão de “calar outras vozes”, mas sim impedir que os mesmos erros fossem cometidos no período pós-guerra. A experiência do Holocausto havia deixado duras marcas na sociedade alemã, e as memórias do antissemitismo precisavam ser apagadas.

Logo, a ideia de legalizar a existência de um partido nazista deixa de ser um meio do liberalismo e se torna uma rota para a existência do fascismo. Segundo Kataguiri, não deveriam existir proibições a respeito de ideologias como o nazismo para que elas fossem rechaçadas socialmente. Entretanto, vale ressaltar que o Partido Nazista era minoria na Alemanha até o dia que se tornou “menos absurdo”. 

Leia também: Conheça o Movimento Rosa Branca de resistência ao nazismo

Reprimindo o passado trágico

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Quando olhamos para trás, lembramos que Hitler se aproveitou de uma Alemanha frágil e de democracia ainda jovem para atacar as instituições democráticas. Com isso, rapidamente conseguiu tomar controle do Estado e usar seu poder para perseguir e exterminar minorias, como aconteceu com judeus, negros, homossexuais.

A derrota na Segunda Guerra Mundial, entretanto, deu fim a uma era de terror. O curioso nesse caso, entretanto, é que a Alemanha — onde o nazismo nasceu — decidiu banir legalmente o uso de símbolos, linguagem e propagandas nazistas para sempre, desde 1949. Enquanto isso, manifestações da extrema direita com suásticas e símbolos de supremacia branca são vistas com menos regulamentação nos EUA, que lutaram pela derrocada dos ideais antissemitas na Segunda Guerra Mundial.

Isso significa que, mesmo quase 90 anos depois do surgimento do nazismo, alguns países ainda encontram dificuldades em reprimir o crescimento de movimentos radicais, o que ressalta ainda mais a importância do cuidado que precisamos ter para que essa situação não se alastre no futuro.

Leia também: Aracy de Carvalho: a brasileira que salvou judeus do nazismo

Investigações em andamento e cenário brasileiro

(Fonte: TV Senado/Reprodução)(Fonte: TV Senado/Reprodução)

Após o episódio do Flow Podcast envolvendo Monark e Kim Kataguiri, que também contava com a presença do também apresentador Igor “3K” e a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), a Procuradoria Geral da República (PGR) abriu uma investigação sobre um eventual crime de apologia ao nazismo durante o programa.

Em vídeo gravado para suas redes sociais, Monark pediu desculpas para todos que se sentiram ofendidos, disse que errou e afirmou que “estava muito bêbado”. Essa, entretanto, não é a primeira vez na história recente que personalidades públicas estão sendo acusadas de propaganda fascista.

Em 2020, durante o governo Bolsonaro, integrantes do governo foram acusados de apoiar o nazismo. Naquela época, o secretário da Cultura, Roberto Alvim, foi demitido de seu cargo depois de divulgar um vídeo referenciando falas de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha nazista. Alvim disse que sua fala foi uma “coincidência retórica”.

Um ano depois, o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, foi acusado de fazer gesto supremacista branco durante sessão no Congresso. Após afirmar que seu ato não teve cunho racista, ele acabou sendo absolvido na Justiça. Portanto, é difícil prever como as declarações feitas no Flow Podcast serão julgadas. 

Leia também: O último judeu de Vinnitsa: conheça a assustadora história por trás da foto

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.