Por que a Esfinge de Gizé foi construída?

A gloriosa Esfinge de Gizé é de longe um dos maiores ícones e resquícios do Egito Antigo. A estátua da criatura mitológica com o corpo de um leão e a cabeça de uma pessoa é uma das maiores e mais antigas estátuas existentes no mundo, aparecendo em livros de história por todas as partes do planeta.

Mas qual o objetivo de sua construção e quem foi que criou esse projeto? Em geral, as esfinges eram construídas para marcar áreas de grande importância, onde ficavam túmulos e templos egípcios importantes. Mais sobre essa história você confere nos próximos parágrafos. Olha só!

Quem criou a Esfinge de Gizé?

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Pouco se sabe sobre quem foi o responsável por criar o conceito da Esfinge de Gizé, mas a evidência histórica mais concreta que temos sobre ela é de que a estátua surgiu como um monumento em homenagem ao faraó Khafre e seu reinado, que durou entre 2520 e 2494 a.C.

No Egito Antigo, a cabeça das esfinges normalmente eram feitas com a representação da cabeça de um faraó ou a de um deus específico. Com 73 metros de comprimento, 6 metros de largura e 20 metros de altura, essa esfinge em específico também é a responsável por guardar as Pirâmides de Gizé no nascer do Sol.

Segundo as evidências, seu nariz tinha cerca de 1,5 metro de comprimento antes de ser derrubado — algo que pode ter sido causado com o desgaste natural ou propositalmente como movimento político. Existem indícios de que a esfinge original era bastante diferente, tendo também uma grande barba trançada feita em pedra. Parte dessa peça pode ser vista no Museu Britânico em Londres.

Tesouro escondido

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Conhecido por ser uma das maiores autoridades e egiptólogos em relação à Esfinge de Gizé, o pesquisador Mark Lehner foi um dos primeiros a realizar grandes estudos de campo na região. Em 1977, ele se juntou a cientistas do Stanford Research Institute usando equipamentos de sensoriamento remoto de última geração para analisar o leito rochoso sob a Esfinge. 

Segundo o estudo, o monumento foi criado em uma única peça só em vez de várias partes de pedra sobrepostas após terem sido esculpidas. O rosto, embora mais bem preservado do que a maioria da estátua, foi castigado por séculos de intempéries e vandalismo. 

Graças a descoberta de resquícios de pigmento vermelho ainda visíveis no rosto, estima-se que todo o rosto da esfinge havia sido pintado dessa cor no passado. Além disso, o corpo era decorado com tinta azul e amarela. Esse colosso permaneceu enterrado na areia por milhares de anos, sendo sua cabeça a única parte que continuou descoberta.

A estátua só foi ser libertada de uma vez por todas de seu túmulo de areia em 1930, quando o arqueólogo egípcio Selim Hassan reuniu uma grande equipe para terminar o trabalho após inúmeras tentativas. Desde então, autoridades do Egito mantêm um esforço constante para preservá-la, mas a estátua continua se desgastando aos poucos.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.