Peças-chave do DNA são achadas em meteoritos que antecedem a Terra

Um estudo publicado na Nature Communications por pesquisadores da Universidade de Hokkaido, no Japão, mostra que elementos químicos necessários para a formação do Ácido Desoxirribonucleico (DNA) podem ter chegado ao planeta Terra por meio de meteoritos carbonáceos, que possuem alto teor de carbono, um elemento primário no Sistema Solar.

A teoria de que a vida chegou à Terra através de um meteorito é conhecida como panspermia e há décadas vem sendo considerada por astrônomos. Embora essa ideia já tenha sido vista como improvável, o assunto voltou aos holofotes com o novo estudo publicado pelos japoneses.

De acordo com a Popular Science, um dos meteoritos analisados pelos pesquisadores de Hokkaido tem 4,6 bilhões de anos, sendo portanto mais antigo que o próprio Sistema Solar.

Instituição de pesquisa da Universidade de Hakkaido (Fonte: Universidade de Hakkaido/Divulgação)Instituição de pesquisa da Universidade de Hakkaido (Fonte: Universidade de Hakkaido/Divulgação)

O estudo teve como base três amostras de meteoritos ricos em carbono, que caíram no planeta em diferentes épocas e localizações. A equipe estudou o meteorito Murray que foi descoberto nos Estados Unidos em 1950; o Murchison que teve sua queda avistada pela população, na Austrália em 1969 e o meteorito Tagish Lake que foi encontrado no Canada no ano de 2000. A equipe levou cerca de um ano para completar a análise.

O líder do estudo e professor associado da Universidade de Hokkaido, Yasuhiro Oba, explica que a detecção de bases nitrogenadas de DNA e RNA nesses meteoritos indica que essas moléculas chegaram nos primórdios da Terra, antes mesmo da vida como é conhecida. “Em outras palavras, nós temos dados de um inventário de moléculas orgânicas relacionadas ao DNA e RNA antes de qualquer vida surgir na Terra”, disse Oba.

Descoberta inédita

Moléculas relacionadas ao DNA e RNA já haviam sido registradas por estudos realizados anteriormente. Contudo, dentre as cinco principais bases nitrogenadas apenas três delas tinham sido descobertas em estudos anteriores. A pesquisa liderada por Oba foi o responsável por detectar pela primeira vez a citosina e a timina em meteoritos.

Há quem discorde

O químico e professor associado da Universidade de Boise nos Estados Unidos, Michael Callahan, falou à Science News que embora acredite que a equipe de Hokkaido tenha encontrado as bases nitrogenadas, “eles não apresentaram dados conclusivos o bastante”, para convencê-lo que as moléculas são “realmente extraterrestres”, disse Callahan

Como informa a Popular Science, evidências como as do estudo japonês provam que meteoritos podem carregar moléculas que integram a informação genética no planeta Terra. Contudo, a hipótese de que as pedras espaciais entregaram esses materiais na Terra e isso deu origem a vida, ainda não é uma certeza.

O líder do recente estudo acredita que os cientistas precisam “analisar amostras mais amplas e variadas de meteoritos e asteroides” para entender melhor as moléculas de DNA e RNA presentes em ambientes extraterrestres. Ele afirma também que as amostras resultantes de missões da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (Jaxa) em conjunto com a NASA nos asteroides Ryugu (Tipo-C) e Bennu (Tipo-B) podem fornecer um melhor entendimento sobre a evolução de moléculas extraterrestres orgânicas e sua possível relação com a origem da vida na Terra.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.