Patrística e escolástica: conheça as duas filosofias medievais

É comum que a Idade Média também seja chamada de “Idade das Trevas”, com predominância da barbárie e do medo — um preconceito que acabou sendo herdado das correntes de pensamento iluministas. No entanto, muito do que conhecemos de filosofia moderna e ciência surgiu nessa época da história da humanidade e não podemos deixar isso de lado.

Em termos de filosofia, as vertentes patrística e escolástica eram as que mais se destacavam naquele período e falavam muito a respeito da relação do homem com o pensamento religioso, sobretudo em uma época em que a Igreja Católica começava a se consolidar. Conheça mais sobre esses estilos de pensamento nos próximos parágrafos!

Patrística

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

No início do período de transição entre a Antiguidade e a Idade Média, a vertente filosófica patrística com seu nome fazendo referência aos primeiros padres da Igreja Católica. Foram essas pessoas que se dedicaram a desenvolver um tipo de filosofia que se aproximasse do pensamento cristão e do conhecimento religioso.

Inclusive, pode-se dizer que toda a filosofia patrística é responsável pelo desenvolvimento do sistema teológico cristão. Ela surgiu justamente no período em que o Império Romano passou a aceitar o cristianismo como uma religião, porém ainda era um período onde os cristãos sofriam bastante perseguição.

Por muito tempo, a filosofia patrística foi dividida em duas linhas de pensamento entre os padres apologistas: aqueles que viviam como Justino, misturando o cristianismo com a filosofia grega pagã; e aqueles que viviam como Tertuliano, defendendo completamente a exclusão do paganismo desse movimento.

O que pregava a filosofia patrística?

A filosofia patrística sempre foi uma linha de pensamento que ressaltava acima de tudo o conhecimento cristão, enquanto que a filosofia grega defendia a razão, a lógica e o conhecimento científico — algo que causava atrito entre as duas partes. Por isso, embora a vertente de Justino tenha predominado por um tempo, o embate entre fé e razão era grande demais para ser ignorado.

A escola patrística foi responsável por criar importantes personagens históricos, entre eles Agostinho de Hipona, um pagão que se converteu com 32 anos e acabou canonizado pela Igreja Católica como Santo Agostinho. Ao longo de sua vida, Agostinho se aventurou em várias correntes de pensamento, mas apaixonou-se pela patrística.

Tornou-se um exímio defensor da fé cristã e lutou para combater qualquer tipo de heresia. 

Escolástica

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Logo após o ápice da filosofia patrística, surgiu a vertente de pensamento escolástica. Essa era uma vertente filosófica menos restrita e que abordava as divergências dentro do ambiente católico. Nesse espírito de debate sobre questões intelectuais, artísticas e filosófica, a “escola” do pensamento foi batizada.

A valorização do saber é perceptível sobretudo durante o século XII, quando passam a surgir as primeiras universidades e existe uma ascensão da classe letrada. A vertente escolástica é uma articulação pensamento racional e religioso. Historicamente, o primeiro escolástico foi o monge agostiniano santo Anselmo, que logo foi seguido por Pedro Abelardo, Pedro Lombardo e Hugo de São Vítor.

O que pregava a filosofia escolástica?

Ao contrário do que acontecia no passado, os filósofos escolásticos fizeram de tudo para conciliar o impensável: fé e razão. Graças à influência árabe dos povos que haviam migrado para a península hispânica, houve uma união do pensamento cristão com a filosofia aristotélica — criando um novo modo de pensar.

No início do século XIII, Santo Agostinho deixa de ser o ponto de referência da filosofia cristã e novos nomes passam a surgir. Alberto Magno, Santo Anselmo e São Tomás de Aquino — considerado o maior nome escolástico — apareceram como combatentes da heresia, do paganismo e da não aceitação de Deus.

Os pensadores dessa escola também usava conceitos científicos como astronomia, física e biologia para compreender o mundo natural e a função do Criador. 

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.