Os 7 principais artistas da Semana de Arte Moderna de 22

Este ano completam-se 100 anos de um dos maiores eventos culturais da história do Brasil. A Semana de Arte Moderna de 1922, ocorrida entre 13 e 17 de fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo, foi fundamental nos rumos que a arte e a cultura percorreriam no século seguinte. O ano foi intencionalmente escolhido: 1922 era o aniversário do centenário da Independência do Brasil.

Os artistas que organizaram o evento inspiraram-se nas vanguardas europeias para propor uma iniciativa ambiciosa: inaugurar uma estética genuinamente brasileira, em que as referências externas fossem “digeridas” para fazer nascer uma arte nacional.

O trabalho dos modernistas brasileiros se estendeu para várias áreas das artes, como a pintura, a literatura e o teatro. Por isso, preparamos uma lista de alguns dos artistas importantes da Semana de Arte Moderna de 22, a partir de suas contribuições ao movimento e sua participação no evento.

Leia também: Os 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922

1. Anita Malfatti (1889-1964)

(Fonte: Terravista Brasil)(Fonte: Terravista Brasil)

A artista plástica Anita Malfatti teve uma participação muito marcante na Semana de 22, expondo 20 telas diferentes. Com formação artística europeia, Anita foi a artista mais massacrada pela crítica da época, por conta de seu estilo único — caracterizado pelas cores intensas, figuras com elementos deformados e uso de linhas contrastantes. Algumas de suas obras mais famosas é O homem amarelo (1917), representação de um imigrante italiano, e A mulher de cabelos verdes (1916).

2. Mário de Andrade (1893-1945)

Mario de AndradeMàrio de Andrade. (Fonte: Mega Curioso)

Mário de Andrade participou ativamente da Semana de 22 e foi um dos grandes intelectuais que articularam as premissas do movimento modernista no Brasil. Considera-se, inclusive, que o Modernismo se inaugura a partir de um livro de poemas de Andrade, chamado Pauliceia Desvairada, de 1922. 

Sua grande obra, no entanto, é o romance Macunaíma, publicado em 1928. O livro mistura elementos das culturas indígena e afro-brasileira para contar a história de Macunaíma, o “herói sem nenhum caráter”, um indígena nascido na Floresta Amazônica que viaja até São Paulo para recuperar um amuleto. Embora tenha um caráter nacionalista, a obra faz uma leitura bastante crítica do país.

3. Oswald de Andrade (1890-1954)

Oswald de AndradeOswald de Andrade. (Fonte: Mega Curioso)

É praticamente impossível pensar na Semana de 22 sem mencionar o militante político e agitador cultural Oswald de Andrade. Isto porque ele foi um dos grandes agitadores do movimento que deu origem ao evento. Escreveu vários manifestos que trouxeram base ao Modernismo — dentre eles está o Manifesto Pau-Brasil, de 1924. Dentre suas obras, estão poemas, romances e peças de teatro.

4. Manuel Bandeira (1886-1968)

(Fonte: Mega Curioso)Manuel Bandeira. (Fonte: Mega Curioso)

Poeta, cronista, professor e tradutor: Manuel Bandeira é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira. Já com uma carreira consolidada, ele aproximou-se de Oswald de Andrade e Mário de Andrade e identificou-se com as propostas revolucionárias do Modernismo. 

Bandeira participou da Semana de 22 com um poema chamado Os sapos, no qual criticava o parnasianismo, estilo marcante daquela época. No entanto, a apresentação do texto foi vaiada pelo público.

5. Di Cavalcanti (1897-1976)

(Fonte: Ebiografia)(Fonte: Ebiografia)

Emiliano Augusto Cavalcanti, conhecido como Di Cavalcanti, foi um dos idealizadores da Semana de 22. O pintor desenvolveu uma obra bastante reconhecida pela crítica — por exemplo, foi premiado como o melhor pintor brasileiro na Bienal de São Paulo, em 1953. Seus quadros tinham como marca a representação de festas populares, com elementos como favelas e a presença de operários, sempre numa perspectiva alegre.

6. Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

Heitor Villa-LobosHeitor Villa-Lobos. (Fonte: Mega Curioso)

Multi-instrumentista, Villa-Lobos é conhecido como um dos grandes músicos da história brasileira. Sua obra é peculiar pois conseguiu transpor a cultura nacional para dentro da música clássica, como na série de composições Bachianas Brasileiras. Ele tocou durante todos os dias que a Semana de 22 no Teatro Municipal de São Paulo.

7. Tarsila do Amaral (1886-1973)

(Fonte: UOL)(Fonte: UOL)

Por fim, um bônus: Tarsila do Amaral é um dos nomes mais proeminentes das artes plásticas no Brasil. Mas não participou da Semana de 22 por uma razão: ela estava em Paris nesta época. Mesmo assim, seu nome entra na lista pois ela se juntaria posteriormente ao grupo e se tornaria um dos símbolos do Modernismo. Curiosamente, nesta época, ela era casada com Oswald de Andrade.

More in Fatos&Fatos.com