O que é a ‘Geração Nintendo’ e por que ela preocupa o Pentágono

Com uma das maiores e mais ativas forças armadas do mundo, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos receia que a próxima geração de militares, a quem batizaram em comunicado de “Geração Nintendo”, não seja capaz de enfrentar uma situação real de combate.

O temor parte dos últimos resultados dos campos de treinamento, nos quais os jovens entre 18 e 25 anos demonstraram maior fragilidade corporal e dificuldade em completar os exercícios propostos. De acordo com o Pentágono, “os recrutas de hoje possuem um estilo de vida muito mais sedentário em comparação a gerações anteriores”, o que os tornaria “mais propensos a lesões”, pois não teriam o hábito de realizar atividades físicas intensas.

Crítica carrega certa contradição, já que o próprio órgão de defesa do governo americano lançou um método de recrutamento que utilizava a tecnologia dos games para determinar perfis mais aptos a atuarem em situações de conflito.

“Geração Nintendo” corresponderia à Geração Z

(Fonte: Military Times/Reprodução)(Fonte: Military Times/Reprodução)

A crítica vinda dos altos cargos das forças armadas norte-americanas chamou a atenção por se referir a potenciais recrutas da Geração Z, que inclui nascidos entre 1997 e 2012. Isso porque o termo “Geração Nintendo” é, costumeiramente, utilizado quando se trata dos Millennials, alvo mais habitual de críticas sobre aptidão militar.

A imprensa que repercutiu a manifestação do Departamento de Defesa também apontou contradições na declaração, em especial na crítica ao uso de videogames. Isto porque o mesmo Pentágono já havia se manifestado em outras ocasiões dizendo que o uso de jogos de tiro em primeira pessoa por fuzileiros navais e marinheiros era benéfico, porque agiliza o aprendizado de novas tarefas.

Outra contradição apontada, os próprios militares foram os principais responsáveis por grande parte do aporte de dinheiro em equipes de e-sports nos últimos anos, usando o videogame como ferramenta de recrutamento.

Postura dura com os jovens é tradição no universo militar

(Fonte: Scott Prater/Reprodução)(Fonte: Scott Prater/Reprodução)

Apesar de inusitada a crítica das forças armadas a um suposto comodismo dos jovens adultos, ela não é um caso isolado. Aliás, é até possível chamar de tradição. Prática comum no segmento militar, uma postura crítica e depreciativa da juventude sempre foi encarada como uma etapa para selecionar os mais aptos a enfrentarem um ambiente como o militar.

Contudo, as estatísticas conhecidas atualmente demonstram que o maior problema para o Pentágono não deveria ser uma suposta fragilidade dos ossos de recrutas que fazem uso excessivo de jogos eletrônicos. Na realidade, as maiores causas de inelegibilidade para o serviço militar nas últimas duas décadas têm sido o uso de drogas, excesso de peso e os baixos índices de educação.

Na prática, isso denota que o alerta deveria estar centrado em questões básicas de bem-estar social e menos no que os jovens fazem em seu tempo livre. Principalmente num cenário em que a juventude americana não tem diminuído seu interesse em se alistar nas forças armadas. Tanto é que, no mesmo relatório, os militares dão dicas de como estar mais preparado para o processo seletivo.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.