Louis Braille: como um estudante inventou o código Braille?

Milhões de pessoas cegas no mundo todo tiram proveito do sistema braille, um método tático de escrita e leitura inventada por um educador francês chamado Louis Braille. Mas quem foi esse homem que viveu apenas 43 anos e causou uma diferença enorme na vida de tanta gente?  

Nascido em janeiro de 1809, em Coupvray, na França, Louis Braille sofreu um acidente quando tinha 3 anos. Seus pais trabalhavam em uma oficina, e o menino estava brincando com uma furadeira de couro quando machucou um dos olhos. A infecção se espalharia para ambos os olhos e, aos 5 anos, ele se tornaria totalmente cego.

A história de um estudante impecável

(Fonte: Revista Galileu)(Fonte: Revista Galileu)

Seus pais, Monique e Simon-Rene, queriam que o filho tivesse uma educação integral – Louis passou a aprender por meio apenas da escuta. Aos 10 anos, o menino era tão dedicado que ganhou uma bolsa no Institut National des Jeunes Aveugles, o instituto francês para estudantes cegos. 

Neste colégio, os alunos receberam um dia uma visita do militar Charles Barbier, que lhes apresentou um sistema criptográfico com 12 sinais que havia sido criado pelo exército para facilitar a comunicação entre as tropas durante as guerras. Assim, os soldados poderiam ler as mensagens sem usar lanternas que alertariam os inimigos.

Louis Braille então se deu conta que o sistema poderia ser bastante útil para os cegos, que ainda tinham pouquíssimos recursos para ler. Ele passou então a estudar o sistema do capitão Barbier e criou um novo código que usava apenas 6 sinais, de forma que os cegos poderiam lê-los usando apenas o dedo indicador de uma das mãos.

A invenção do sistema Braille

(Fonte: DW)(Fonte: DW)

No período compreendido entre seus 12 aos 15 anos, Louis Braille se dedicou ao trabalho no código que estava criando. O sistema usava apenas 6 sinais (3 pontos na vertical próximos aos outros), que eram usados em diferentes combinações. Todos os momentos livres do estudante passaram a ser dedicados a este projeto — ironicamente, ele utilizava uma furadeira de papel como aquela que o cegou.

Aos 15 anos, Braille finalizou o seu código tátil de escrita e leitura composto por 64 símbolos no total. O sistema foi apresentado aos seus colegas pela primeira vez em 1824. Deste modo, todos os estudantes cegos não dependeriam mais de um processo lento, e poderiam escrever e ler letras e números.

O sucesso do trabalho se deveu em parte pelo fato de que Louis Braille recebeu o apoio do diretor do instituto. No entanto, um novo diretor assumiria em 1840 e baniria o código Braille da escola, pois temia que os professores, que não eram cegos, se tornariam obsoletos caso todos os estudantes aprendessem o sistema.

Ainda assim, Louis Braille persistiu. Ele seguiu trabalhando e se aprimorou como músico, escritor, pesquisador, inventor e professor no mesmo Institut National des Jeunes Aveugles. Quando tinha 20 anos, Braille publicou o primeiro livro sobre o método Braille, instruindo as pessoas sobre como escrever letras e compor músicas usando o sistema.

Infelizmente, Louis Braille não viveu muito tempo. Ele parou de dar aulas por conta de ter adquirido tuberculose, e morreu em 6 de janeiro de 1852, quando tinha apenas 43 anos.

No entanto, alguns anos depois de sua morte, o código Braille foi reconhecido como uma invenção extraordinária que poderia impactar na vida de milhares de pessoas. Ele passou a ser adaptado e empregado pelas diferentes nações, usando sempre o método de 6 pontos, para escrever em diferentes línguas, símbolos, números, fazer matemática e registrar a música.

Em 2009, centenário do seu nascimento, Louis Braille foi celebrado no mundo todo e reconhecido como um gênio que impactou — e segue impactando — a história de tantas pessoas que dependem de sua invenção para aprender e ensinar.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.