Incontáveis toneladas de diamantes se escondem no centro da Terra

Cientistas do MIT e da Penn State University, nos Estados Unidos, detectaram incontáveis toneladas de diamantes localizados a dezenas de quilômetros de profundidade na Terra. Segundo os autores do projeto, o número de gemas brilhantes que se escondem na porção superior do manto é muito maior do que se imaginava, e rochas com todo tipo de raridade, formadas há milhões de anos, são constantemente afetadas pela rigidez, temperatura, densidade e composição geológica do planeta.

Naturalmente, os diamantes se formam no subterrâneo de crátons — massas rochosas antigas conhecidas como núcleos arqueozoicos —, em locais de impacto de meteoritos e por meio da erupção de vulcões com raízes profundas. Abaixo de inúmeras camadas de rochas e materiais geológicos, essas pedras brilhantes se escondem e formam todo tipo de coloração, ao mesmo tempo que abrigam qualquer tipo de material no interior de suas estruturas cristalinas. Essas gemas, porém, são invisíveis a olho nu e exigem o uso de ondas sonoras para serem identificadas.

(Fonte: Getty Images / Reprodução)(Fonte: Getty Images / Reprodução)

Utilizando as ferramentas de captação de ondas sísmicas, os pesquisadores reuniram dados de diferentes modelos que simulam o ruído tridimensional das ondas que se movem pela Terra. Considerando a composição, flutuabilidade e eletromagnetismo, eles ajustaram as velocidades exatas das ondas baseando-se nos materiais que elas são formadas.

Foi então que os resultados revelaram a existência de cerca de um quadrilhão — um e quinze zeros — toneladas de diamantes localizados na camada da Terra conhecida como “manto frio” — que vai de 30 km até 2900 km de profundidade. De acordo com os pesquisadores, as pedras brilhantes estavam acelerando consideravelmente a atividade sísmica dos crátons, atuando em cerca de 2% das raízes e misturando-se com dióxido de carbono e minerais ricos em carbono, como grafite e calcita.

“Isso mostra que o diamante talvez não seja esse mineral exótico, pois na escala [geológica] das coisas, é relativamente comum”, disse Ulrich Faul, cientista do MIT e líder do projeto. “Não podemos alcançá-los, mas ainda assim, há muito mais diamantes lá do que pensávamos antes.”

Leia também: Conheça 7 minerais que são mais raros do que os diamantes

Um mar de diamantes azuis

Em 2018, o geólogo Evan Smith, do Instituto Gemológico Norte-Americano, anunciou que os diamantes azuis tendem a nascer abaixo da concentração de cristais e podem surgir em regiões até quatro vezes maiores, na porção central do manto terrestre. A dificuldade de capturá-los, então, seria um dos principais fatores para encarecer o mineral no mercado de joias, consequentemente dificultando o acesso para pesquisas científicas.

(Fonte: Wikipedia / Reprodução)(Fonte: Wikipedia / Reprodução)

Até o momento, pouco menos de 50 diamantes foram analisados, tendo suas origens estimadas em locais entre 410 e 660 km de profundidade. Porém, outras amostras indicaram propriedades de níveis ainda mais inferiores do planeta, gerando um mistério sobre o que essas pedras poderiam estar encapsulando em projeções mais fundas. Atualmente, a hipótese que se sustenta afirma que materiais deslizam, via subducção e eventos tectônicos, para o manto e penetram nas camadas superficiais das gemas ao serem incorporados em minerais ricos em água, como é o caso do boro.

Em um futuro distante, visto que humanos nunca conseguiram cavar mais de 12 quilômetros de profundidade na Terra, haverá condições para alcançar essa impressionante riqueza mineral? Joshua Garber, pesquisador de pós-doutorado na Penn State University e autor do estudo, indica ser improvável em “escalas humanas”, mas não descarta a continuidade dos estudos para descobrir o que o fundo do planeta esconde.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.