Guerra do Vietnã impulsionou o crescimento do movimento hippie

Chamar uma pessoa de hippie, hoje, é uma forma depreciativa de se referir a alguém, mas, no início dos anos 1960, os hippies foram parte de um importante movimento de contracultura, isto é, de contestação à cultura dominante. Organizado na cidade de São Francisco, foram influenciados pela cultura beat dos anos 1950.

Sua características adentraram várias espécies de manifestações artísticas, do cinema à literatura, da música à moda, especialmente nos Estados Unidos, mas com reflexos em todo o mundo. O auge do movimento hippie ocorreu durante a Guerra do Vietnã, em meio aos intensos protestos contra o derramamento de sangue no país do Sudeste Asiático.

Guerra do Vietnã deu a juventude de bandeja aos hippies

(Fonte: Stanford Quad)(Fonte: Stanford Quad)

A Guerra do Vietnã foi um martírio para os jovens americanos. A convocação era feita através de sorteios, transmitidos na TV. O pavor de correr o risco de morrer não tardou a fazer com que, desiludidos com os rumos do país, sentissem-se atraídos pelos ideais de “paz e amor” dos hippies.

A partir da indignação do movimento hippie, inúmeras marchas passaram a tomar conta do país, implicando no fortalecimento dos movimentos feministas e de direitos civis aos afro-descendentes.

Tudo parecia uma oportunidade para marcar posição: as roupas coloridas, em contraste ao verde-oliva militar; os cabelos compridos, em contraposição à careca dos soldados; o amor livre, em oposição à morte degenerada. E ainda havia as drogas, utilizadas com o intuito de abrir a mente e permitir que os hippies fossem mais criativos, ao contrário dos militares, vistos apenas como cumpridores de ordens.

Uma geração que pregava o pacifismo

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Uma espécie de evolução da Geração Beat, eram um grupo jovem, sem lideranças. Ouviam folk e rock, optavam pelas roupas mais extravagantes possíveis, em cores vivas, jeans rasgados, calças boca de sino. A técnica tie-dye (amarrar e tingir, em tradução literal) surge nesta época, além do uso das flores no cabelo, para compor um look tipicamente hippie.

Um hippie podia ser identificado como uma pessoa que pregava o amor livre, o respeito à natureza, o pacifismo e uma vida mais simples e desconectada do consumismo. Eram majoritariamente brancos, de classe média e ateus.

Eles ganharam unidade com a revolta e indignação causadas pelas imagens da Guerra do Vietnã, transmitidas diariamente para milhares de lares americanos. Não foram responsáveis por inaugurar movimentos contrários à guerra, mas sua forte posição, ainda que fosse uma política sem política, foi fundamental para que o restante da sociedade também visse no combate que ocorria no Vietnã a origem de muitos problemas americanos.

Fim dos conflitos também foi o fim do movimento hippie

(Fonte: Click Americana/Reprodução)(Fonte: Click Americana/Reprodução)

No decorrer da década de 1970, a imprensa foi, aos poucos, perdendo o interesse naqueles cabeludos de roupa colorida. Com o fim do conflito no Vietnã, em 1973, o interesse pelo movimento praticamente desapareceu.

A morte de muitos dos símbolos dos hippies, como Jimi Hendrix, Jim Morrison e Janis Joplin, também contribuiu para diminuir a força dos ideais por eles defendidos. Não fosse o bastante, a comunidade hippie liderada por Charles Manson ganhou os jornais por ter cometido roubos e assassinatos, desacreditando o movimento.

De todo modo, a influência deles pode ser vista por muito tempo, especialmente na música e na moda, que volta e meia revisitam as expressões características do período, em especial a música psicodélica e as roupas tingidas.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.