Existe alguma menção ao dízimo na Bíblia?

De acordo com o Dicionário Bíblico de Smith, um dízimo, religiosamente falando, corresponde à proporção de propriedade destinada aos usos religiosos nos tempos antigos. O pagamento, doação ou devolução dos dízimos, como alguns preferem, é encontrado no texto bíblico antes mesmo da nomeação dos levitas, homens da tribo de Levi escolhidos por Deus para guiar o povo na adoração e cuidar dos templos.

A primeira menção ao dízimo na Bíblia ocorreu na passagem em que Abraão deu um décimo dos despojos conquistados em uma guerra ao rei-sacerdote de Salém, Melquisedeque (Gn 14:18-20). Neste caso, não foi uma imposição religiosa, mas sim uma ação espontânea de Abraão.

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Por que as igrejas pedem o dízimo?

A maioria das denominações religiosas, protestantes ou católicas, faz questão de ressaltar que o dízimo é uma forma prática de demonstrar a confiança em Deus, com a vida e as finanças. Mas como Deus não precisa do nosso dinheiro, o dízimo é, basicamente, para o benefício de quem o entrega, pois ao sacrificar parte de sua renda a pessoa aprende a confiar na divindade para o que der e vier.

Sendo assim, a principal finalidade dessa prática é atender as necessidades dos pastores, padres e sacerdotes, além de ajudar na manutenção e trabalhos da igreja local que, por sua vez, deveria auxiliar outras pessoas. Para os religiosos, a doação do dízimo encoraja o surgimento de um espírito generoso e grato.

As polêmicas

(Fonte: Shutterstock/Reprodução)(Fonte: Shutterstock/Reprodução)

O dízimo é um tema bastante controverso e capaz de arruinar qualquer conversa de jantar. De um lado, estão os que defendem a sua obrigatoriedade com base em uma série de passagens bíblicas, ressaltando como Deus recompensa o dizimista.

Do outro, estão os que dizem que, além de não ser obrigatório, chega a ser imoral em vários casos, como exigir o dízimo de quem mal tem o que comer prometendo que “Deus devolverá tudo em dobro”. Os que são contra também se baseiam nos textos bíblicos. Para eles, a morte e ressurreição de Jesus constitui uma nova aliança com a humanidade, superior àquela feita por Deus apenas com o povo de Israel.

Além disso, não existe menção à quantia do dízimo em nenhum lugar do Novo Testamento, no sentido de ser 10% de tudo o que ganham. Porém, destaca o direito de quem ministra receber um sustento (1Co.9:14) e a responsabilidade das instituições religiosas em cuidar de necessitados, doentes e pobres.

Embora existissem outras pequenas finalidades ao dízimo no Antigo Testamento, a principal era manter o templo funcionando e ajudar no sustento dos sacerdotes, já que estes se dedicavam exclusivamente a Deus.

(Fonte: Shutterstock/Reprodução)(Fonte: Shutterstock/Reprodução)

Por isso, aqueles contras também observam que os tempos mudaram. Hoje, por exemplo, a maioria dos líderes religiosos pode trabalhar, ter empresas, fazer faculdade, investir no mercado, etc. Ou seja, o propósito de ajudar a quem só se dedicava a Deus e ao templo perde o sentido.

Existe ainda um ponto mais complexo: muitas igrejas recebem grande assistência dos governos e entidades privadas, algumas até são registradas e funcionam como uma empresa tradicional, com direito aos seus próprios bancos. Logo, não precisam ser mantidas por pessoas comuns.

Tem quem defenda que o dízimo deveria ser transformado em caridade, seja construindo casas para os féis necessitados, pagando tratamentos de doença ou transformado em sestas básicas. Mas nem sempre isso acontece.

Em Mateus 23:23, Jesus manifesta-se contrário a focar e dar tanto peso às regras do dízimo sem prestar atenção naquilo que é importante para a fé, de fato, como compaixão e justiça para com os nossos semelhantes.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.