Conheça os 5 filósofos iluministas mais influentes

O Iluminismo — ou simplesmente a Idade da Razão ou das Luzes — é conhecido como uma era central na reorientação do pensamento humano em direção ao conhecimento da ciência, da lógica e da racionalidade. Nesta época, foram produzidos muitos livros, ensaios, descobertas científicas e revoluções. E ela nos trouxe também grandes filósofos iluministas.

Por essa razão, toda compreensão da filosofia passa, necessariamente, pelo conhecimento gerado durante o “longo século XVIII” (pois apreendemos aqui o período passado entre 1685 até 1815). Neste artigo, apresentamos 5 pensadores fundamentais desta época.

1. John Locke (1632–1704)

“Retrato de John Locke”, por Godfrey Kneller (1646 – 1723). (Fonte: Wikimedia Commons)

O inglês John Locke cumpriu seus estudos em Oxford, e ganhou um diploma em medicina. Mas sua carreira acabou se desdobrando para a área do pensamento. Um ensaio por ele escrito no ano de 1690 desafiou a lógica de Descartes, tornando-o um dos filósofos iluministas mais influentes.

Locke é tido como o fundador do liberalismo (o que quer dizer que ele se opunha à monarquia absolutista e defendia a liberdade individual) e do empirismo (defendendo que nosso conhecimento deveria surgir da experiência prática). Suas ideias criaram muita polêmica na Igreja Católica, uma vez que ele não acreditava que Deus comandava o nosso destino.

2. Voltaire (1694–1778)

“Voltaire lisant L’année littéraire de Fréron”, de Jacques Augustin Catherine Pajou (1811). (Fonte: Wikimedia Commons)

Voltaire é, provavelmente, o filósofo mais influente do Iluminismo. Filho de um advogado e educado por jesuítas, escreveu sobre inúmeros assuntos. Sua produção contém também obras que são sátiras, como o conto Cândido e o otimismo.

Dentre os temas mais abordados por Voltaire em seus escritos estão a hegemonia da Igreja Católica (que era abordada pelo filósofo sempre de forma crítica), o liberalismo e a desconstrução do absolutismo.

3. Jean-Jacques Rousseau (1712–1778)

Retrato de Jean-Jacques Rousseau, de Georg Friedrich Meyer (1778). (Fonte: Wikimedia Commons)Retrato de Jean-Jacques Rousseau, de Georg Friedrich Meyer (1778). (Fonte: Wikimedia Commons)

Nascido em Geneva, Rousseau passou o começo da sua vida adulta convivendo com a pobreza, educando-se e viajando. Suas ideias foram extremamente influentes na Revolução Francesa. A obra mais famosa de Rousseau é O Contrato Social, na qual desenvolve a sua visão sobre a soberania do povo em relação aos governos.

O filósofo defendia que os indivíduos comuns deveriam ter participação ativa nas decisões políticas. E, diferente de outros filósofos iluministas, Rousseau não defendia o individualismo: para ele, a igualdade poderia ser alcançada apenas se a posse de bens deixasse de existir e todos tivessem acesso às mesmas coisas.

4. Charles-Louis Secondat Montesquieu (1689–1755)

“Portrait of Charles de Secondat, Baron de Montesquieu”, de Jacques-Antoine Dassier. (Fonte: Wikimedia Commons)

Montesquieu foi advogado e chegou a ser presidente da Câmara da cidade de Bordeaux. Em 1750, escreveu Defesa do Espírito das Leis — obra incluída no Index Proibitorium da Igreja Católica no ano seguinte. Seus escritos versavam na área da política e da psicologia. 

Este filósofo foi o criador da teoria da separação dos três poderes, que instituía as separações entre Legislativo, Executivo e Judiciário — sistema utilizado também no Brasil. Como boa parte dos filósofos iluministas, Montesquieu posicionava-se contrário à monarquia e ao poder absoluto que ela representava no sistema social.

5. Mary Wollstonecraft (1759–1797)

“Portrait of Mary Wollstonecraft”, de John Opie. (Fonte: Wikimedia Commons)

Em um espaço ainda muito centralizado nos homens, algumas filósofas iluministas também se destacaram. Mary Wollstonecraft é o principal nome feminino em torno do pensamento iluminista.

Ela publicou vários textos, ensaios e romances nos quais defendia a igualdade entre homens e mulheres e reivindicava o direito feminino à educação. Opunha-se também à aristocracia, à monarquia e à autoridade religiosa. Uma curiosidade: Mary Wollstonecraft era mãe de Mary Shelley, a autora de Frankenstein.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.