Como o açúcar é transformado em algodão-doce?

Refeição tradicional em parques e festivais, o algodão-doce reúne uma incrível técnica culinária e o sabor açucarado para fazer a alegria de inúmeros consumidores. A experiência, que vai muito além do visual, é reflexo de um processamento científico centenário em que a automatização e a criatividade humana ultrapassaram limites para transformar a sacarose em uma mágica nuvem colorida da gastronomia moderna.

Estima-se que as origens do algodão-doce remontem ao século XIX, após o nascimento das primeiras indústrias dedicadas à fabricação de doces. Nessa época, as máquinas especializadas eram semiautomáticas e permitiam a produção em larga escala, facilitando a distribuição de produtos e o acesso pela maior parte da população.

(Fonte: Richard James Mendoza/Getty Images)(Fonte: Richard James Mendoza/Getty Images)

Foi então que, no início do século XX, John C. Wharton, um fabricante de doces, e William J. Morrison, um dentista, projetaram uma máquina que combinava calor e força centrífuga para criar um doce incrivelmente transparente. Segundo eles, o equipamento consistia em uma grande panela com um núcleo de aquecimento giratório e base em forma de funil, onde a calda de açúcar era trabalhada.

A grande reviravolta na linha produtiva do doce ocorreu apenas em 1949, quando a adição de uma base de mola garantiu maior eficiência e durabilidade, substituindo o barulhento motor do protótipo. Quase trinta anos depois, a primeira máquina de algodão-doce foi oficialmente patenteada, e o produto passou a ser incluso nos anais das linhas de montagem em larga escala.

Como o algodão-doce é produzido atualmente?

(Fonte: Winter_Studios/Getty Images)(Fonte: Winter_Studios/Getty Images)

O algodão-doce consiste em uma combinação de açúcar (sacarose), corantes regulamentados e aromatizantes artificiais e naturais. Quando essa matéria é despejada no centro de máquinas — que suportam até 1,36 kg de conteúdos, incluindo três cores e sabores diferentes —,  as bobinas internas aquecem o açúcar até o ponto de fusão (cerca de 150 graus Celsius) e quebram as ligações das moléculas constituintes.

Em seguida, os átomos de oxigênio e hidrogênio evaporam, deixando apenas o carbono, que passa a ser o protagonista no processo conhecido como caramelização. À medida que a velocidade no recipiente aumenta, pequenos orifícios laterais arremessam os fios de açúcar líquido para gerar consistência, baseando-se em uma força bruta que transforma a sacarose em filamentos de apenas 50 mícrons de diâmetro. Quando todos eles se unem, a “massa” do algodão-doce fica pronta.

Dessa forma, os fios do doce ficam dispostos em uma bandeja aberta — para amenizar as altas temperaturas —, e já podem ser capturados por um palito ou outra ferramenta, visto que mantêm uma forte adesão. Imediatamente, a refeição pode ser servida com as cores e sabores desejados.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.