As perturbadoras sombras criadas pela bomba atômica de Hiroshima

Às 9h15 de 6 de agosto de 1945, o bombardeiro Thomas Ferebee abriu as comportas do avião B-29 Superfortress, Enola Gay, e lançou aos ares de Hiroshima a bomba atômica Little Boy, que despencou 9 mil metros em apenas 43 segundos antes de detonar a uma altitude de 609 metros do chão.

A bomba explodiu com a força de mais de 15 mil toneladas de TNT diretamente sobre uma clínica cirúrgica a 152 metros da Ponte Aioi. Menos de 2% do urânio contido na bomba atingiu o ponto de fissão, mas foi o suficiente para a reação envolver a cidade em um flash ofuscante de luz e calor, com o solo atingindo uma temperatura de 3 mil graus Celsius em menos de 1 segundo.

A explosão vaporizou pessoas a 800 metros do marco zero e derreteu estátuas de bronze, telhas fundidas e peles expostas a quilômetros de distância, devido à energia infravermelha desencadeada pela reação. Cerca de 80 mil pessoas morreram instantaneamente.

Leia também: Taramae e Matsuo: duas sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki

As sombras         

(Fonte: Forum Outer Space/Reprodução)(Fonte: Forum Outer Space/Reprodução)

Ainda que todo o dano físico desse atentado de 77 anos atrás tenha se dissipado graças ao tempo e perseverança japonesa, restando apenas a memória avassaladora, ainda assim existem alguns indícios horripilantes do estrago causado pela Little Boy. Um exemplo disso são as denominadas “Sombras de Hiroshima”.

Logo após a explosão atômica, que aconteceu tanto em Hiroshima como em Nagasaki, várias sombras de humanos e objetos surgiram espalhadas pelas calçadas e edifícios das cidades.

(Fonte: Forum Outer Space/Reprodução)(Fonte: Forum Outer Space/Reprodução)

Segundo o Dr. Michael Hartshorne, administrador emérito do Museu Nacional de Ciência e História Nuclear de Albuquerque, no Novo México, em entrevista à LiveScience, a luz intensa e o calor se espalharam fora do ponto de implosão quando a bomba detonou. Os objetos e pessoas no caminho dela protegeram os objetos atrás deles, absorvendo a luz e energia, enquanto a luz circundante branqueava o concreto ou a pedra ao redor da sombra feita.

Ou seja, essas sombras que surgiram são, na verdade, como a calçada ou o prédio pareciam antes da explosão nuclear. São os restos das superfícies branqueadas, fazendo a área regularmente colorida parecer uma sombra escura.

Formando as sombras

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

A intensa energia liberada durante uma explosão atômica é o resultado de uma fissão nuclear, que acontece quando um nêutron atinge o núcleo de um átomo pesado. Durante essa colisão, o núcleo do elemento é quebrado, liberando uma grande quantidade de energia, e essa colisão inicial desencadeia uma reação em cadeia que só acaba quando todo o material original se esgota.

A bomba de Hiroshima foi alimentada com urânio 235 e plutônio 239, que liberaram energia em uma enorme quantidade de calor e radiação gama de ondas muito curtas. Nessas ondas longas e curtas estão os comprimentos das ondas visíveis que contém energia — que nossos olhos percebem como cores. Contudo, diferente das ondas de rádio, que são do tipo longas, as ondas da radiação gama são destrutivas para o corpo humano porque atravessam as roupas e a pele, danificando tecidos e o DNA.

A radiação gama liberada pela bomba viajou com uma energia térmica que pode atingir 5 mil graus Celsius e, quando atingiu um objeto ou uma pessoa, foi absorvida, protegendo os objetos no caminho e criando um efeito de branqueamento fora da sombra.

Estima-se que havia milhares de sombras logo após a explosão, mas a maioria delas foi destruída pelas ondas e o calor subsequente. Uma das poucas sombras que prevaleceram foi a de uma pessoa sentada nos degraus do Banco Sumitomo. Esta permaneceu no local por mais de 20 anos antes de ser removida e levada para o Museu Memorial da Paz de Hiroshima.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.