Amor platônico: entenda o que é — e descubra se você já o viveu

Traduzir os sentimentos em palavras pode ser uma tarefa complicada. É por isso que os gregos tinham oito palavras diferentes para se referir a algo que, atualmente, nós resumimos como “amor”. Entre esses conceitos, talvez o chamado “amor platônico” seja o mais difundido na nossa cultura, ainda que muita gente o interprete de forma equivocada.

Quem cunhou o termo “amor platônico” foi o filósofo italiano Marsilio Ficino, no século XV. Na época, ele usou essas palavras como sinônimo para o “amor socrático”. Esse amor seria focado no caráter de alguém, na sua inteligência e não nas suas atribuições físicas. O filósofo grego Platão acreditava que esse era o amor que existia entre Sócrates e seus discípulos.

No livro O Banquete, Platão narra as várias definições do amor. Essas definições teriam sido dadas por diferentes filósofos durante um jantar. Sócrates, o convidado de honra desse encontro, disse que o amor estava atrelado ao desejo por aquilo que falta, pois ninguém desejaria aquilo que tem.

Já Eriximaco disse que o amor estava presente em tudo, bastando que as pessoas se permitissem observá-lo. Aristófanes, por outro lado, abordou um tema que faz parte da nossa cultura e está presente em filmes, novelas e séries: a ideia da “cara-metade”. A ideia geral defendida por ele é que as pessoas teriam sido amaldiçoadas, perdendo metade de si. O amor estaria atrelado à busca pela parte que falta, sendo essa parte um homem ou uma mulher.

O amor platônico

Fonte: ShutterstockFonte: Shutterstock

Os textos presentes em O Banquete foram e são objetos de estudo há séculos. Isso vem moldando a forma como vemos os conceitos abordados na obra e como eles são inseridos na nossa cultura.

Atualmente, o “amor platônico” se tornou sinônimo de amor não correspondido, mas isso não está certo. O chamado “mundo platônico” seria o mundo idealizado, ou seja, aquele mundo que só existe na nossa imaginação. Ele é perfeito.

Portanto, de forma resumida, o amor platônico seria um amor que é idealizado. O problema é que esse amor idealizado não existe no mundo real, pois a pessoa amada é diferente daquela que habita nossa imaginação — quem sabe isso explique a decepção que muitas pessoas sentem ao conhecer de perto as pessoas que amam.

Os outros tipos de amores

Fonte: ShutterstockFonte: Shutterstock

Os gregos gostavam das coisas muito bem explicadas, por isso tinham várias categorias de amor. Então, se você é daquelas pessoas que acredita nunca ter vivido um amor, preste atenção nessas definições. Certamente, você já viveu alguma delas.

  • Eros: parecido com o que chamamos de “paixão”. É físico, intenso e dá aquele “frio na barriga”.
  • Pagam: é o amor duradouro, prático e útil. Como o de um casal de idosos que aprendeu a gostar da companhia um do outro.
  • Ludus: é um amor divertido, atrelado a risadas e aventuras. É como se os adultos que amam se parecessem com crianças.
  • Ágape: é o amor universal, dado a todos. Pode ser entendido como amor que as religiões dizem que temos que ter pelos nossos semelhantes.
  • Philia: é o amor dos amigos.
  • Philautia: amor-próprio.
  • Storge: amor familiar, independentemente de quem você considera família.
  • Mania: amor obsessivo, que hoje consideramos “tóxico”.

More in Fatos&Fatos.com