Acredite, é possível ‘criar’ novos neurônios

Por muito tempo, a ciência acreditou que não era possível desenvolver novas células cerebrais depois que atingíssemos a idade adulta. Mas hoje as pesquisas estão provando que, diferente do que pensávamos, é possível criar novos neurônios.

Amar Sahay, neurocientista do Massachusetts General Hospital, afiliado a Harvard, explica: “a realidade é que todos têm a capacidade de desenvolver novas células que podem ajudar a melhorar as funções cognitivas”. Estas descobertas são vistas como muito promissoras, pois trazem esperança para novos tratamentos contra doenças como a depressão, o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), o Alzheimer e outras formas de demência.

A crença de que neurônios não se regeneram se desenvolveu, em parte, por conta das perdas motoras e cognitivas que começamos a apresentar à medida que envelhecemos, o que aconteceria por volta dos 25 anos — a partir daí, seria “ladeira abaixo” para o cérebro. Mas agora os pesquisadores estão descobrindo que há células neurais que conseguem se refazer ao longo da vida.

Novas descobertas na neurociência

(Fonte: Getty Images)(Fonte: Getty Images)

Novas pesquisas no campo da neurociência começaram a se desenvolver no fim da década de 1990, quando cientistas da Universidade Rockefellers, em Nova York, passaram a investigar o cérebro de macacos saguis. Eles injetaram um marcador químico nestes animais para poder identificar as células cerebrais maduras e novas.

O estudo mostrou que o hipocampo (área do cérebro associada a memórias e emoções) dos macacos continuou a gerar novos neurônios (a chamada neurogênese), independente da idade que eles tinham. Posteriormente, estas pesquisas confirmaram que as células do hipocampo, quando morriam, eram substituídas por outras. Para a surpresa dos pesquisadores, estas células novas cooperam para que o hipocampo mantenha suas funções centrais.

O “cultivo” dos neurônios

(Fonte: Shutterstock)(Fonte: Shutterstock)

Os pesquisadores responsáveis por estas descobertas, inclusive, dão recomendações para quem está interessado em “gerar” novas células cerebrais. As dicas envolvem a realização de ações que visam, basicamente, 3 objetivos: cuidar dos neurônios que já existem, cultivar neurônios novos e evitar que esses morram.

Para preservar os seus neurônios, os especialistas recomendam fugir do estresse, dormir sempre a quantidade necessária (dormir “desintoxica” o cérebro e o faz eliminar resíduos ligados à demência e ao Alzheimer), e seguir uma dieta saudável, fugindo das gorduras, alimentos refinados e doces.

Agora, se o objetivo é cultivar novas células cerebrais, as dicas são: comer bastante mirtilos e chocolate amargo (que contêm flavonoides); “engajar” o cérebro em atividades que o tirem de sua zona de conforto; comer alimentos ricos em ômega-3, como abacates e certos tipos de peixes gordurosos; fazer exercícios regulares; comer bastante cúrcuma (que, segundo descobriram os pesquisadores, ajuda a evitar distúrbios neurológicos); fazer sexo; expor-se à luz solar (que faz o corpo produzir vitamina D); beber chá verde; e, por fim, praticar o jejum intermitente (isso ajudaria a desestressar o cérebro).

Manter todos esses hábitos relativamente simples com regularidade o ajudará a preservar seus novos neurônios e, assim, poderá aproveitar as vantagens de ter um cérebro sempre jovem.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.