6 mulheres inspiradoras que foram pioneiras na aviação

Setor tradicionalmente visto como masculino, a evolução da participação das mulheres na aviação já é uma realidade para além das aeromoças. Ainda incipiente, a participação feminina no comando de aeronaves tem crescido de forma exponencial.

Esse aumento é fundamental, pois contribui para quebrar preconceitos culturais e expandir as possibilidades de atuação para as mulheres. No entanto, para que chegássemos aos números de hoje, muitas mulheres precisaram enfrentar desafios, desbravando esse universo que não as via como aptas ao trabalho.

Para prestar uma homenagem a essas grandes profissionais, apresentamos as histórias inspiradoras de 6 mulheres pioneiras na aviação mundial.

Leia também: 4 curiosidades sobre como era viajar de avião na década de 1970

1. Jacqueline Cochran

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Jacqueline Cochran é uma das pioneiras da aviação e iniciou na carreira de piloto em 1932. Entre vários feitos, estabeleceu recordes no ramo e foi a primeira aviadora a quebrar a barreira do som, em um voo realizado em maio de 1953.

Ao competir na corrida aérea Bendix, estabeleceu um novo recorde de velocidade transcontinental, além de obter os mais altos índices de altitude. À época de seu falecimento, nenhum outro piloto, homem ou mulher, detinha mais recordes de velocidade, distância ou altitude na história da aviação. Por esta razão, ganhou a alcunha de “Rainha da Velocidade”.

2. Amelia Earhart

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Amelia Earhart é outra importante pioneira dos céus. Foi a primeira mulher a voar sozinha através do Oceano Atlântico e a primeira aviadora da história a realizar viagens aéreas comerciais. Ao se tornar a primeira mulher a voar pela América do Norte, Earhart garantiu uma fama eterna.

Ambiciosa, seu objetivo era completar uma volta de ponta a ponta no globo utilizando a rota mais longa. Na segunda tentativa de concretizar esse sonho, seu avião desapareceu próximo à Nova Guiné. Mais de 80 anos depois, as causas do sumiço não foram definidas e seu avião nunca foi encontrado.

3. Bessie Coleman

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Bessie Coleman é um caso à parte. Foi a primeira mulher negra e indígena a obter uma licença para voar, e a primeira pessoa negra a conseguir uma licença de piloto internacional, em um curso realizado na França.

Popularmente conhecida como “Queen Bess”, retornou aos EUA e se tornou piloto de shows aéreos. Infelizmente, morreu em um acidente de avião no ano de 1926.

4. Hélène Dutrieu

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

A francesa Hélène Dutrieu, antes da aviação, teve uma carreira muito bem-sucedida no ciclismo, chegando a deter o recorde mundial feminino de distância pedalada no tempo de uma hora. Até se tornar a primeira aviadora a realizar um voo com passageiros, em abril de 1910, ainda foi dublê e atriz.

Ganhou o apelido de “Girl Hawk” no período em que trabalhou com shows aéreos. Além dos muitos torneios de aviação ganhos, também foi a primeira mulher a pilotar um hidroavião. Vale citar que ela aprendeu a voar em um Demoiselle, avião projetado por Santos Dumont.

5. Raymonde de Laroche

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Esta lista não existiria sem a francesa Raymonde de Laroche. Ela foi a primeira mulher da história a pilotar um avião e a primeira aviadora licenciada. E se você acha pouco, seu primeiro voo é considerado um marco, já que foi a primeira vez que uma mulher conduziu uma embarcação mais pesada que o ar.

Chegou a possuir dois recordes femininos de altitude e distância de voo. Infelizmente, faleceu  em 1919 após um acidente no pouso quando co-pilotava uma aeronave experimental.

6. Harriet Quimby

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Poucas pessoas influenciaram tanto a presença feminina na aviação do que Harriet Quimby. Foi, em 1911, a primeira mulher americana a obter uma licença de piloto. Menos de um ano depois, marcou seu nome ao se tornar a primeira mulher a cruzar o Canal da Mancha.

À época, seu feito recebeu pouca atenção da imprensa, já que, um dia antes, o transatlântico Titanic havia naufragado. Faleceu ainda em 1912, vítima de um acidente com o avião que pilotava.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.