6 fontes famosas que vemos por aí e suas histórias

A tipografia é uma arte e processo de criação na composição e impressão de um texto, físico ou digital. Já as fontes tipográficas surgem a partir das primeiras impressões com letras em relevos confeccionados em madeira, barro ou ferro, que eram reproduções das letras feitas à mão, muitas delas desenhos, como as fontes góticas.

O alemão Johannes Gutenberg desenvolveu um sistema mecânico de tipos móveis que daria início à Revolução da Imprensa, considerado um dos mais importantes inventos do segundo milênio. Mas e as fontes, você sabe as histórias delas? Pois nos acompanhe, vamos contar um pouco sobre 6 fontes tipográficas famosas.

1. Times New Roman

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

A Times New Roman é uma das mais famosas fontes tipográficas da história. A jornada de sua criação se inicia em 1929, quando Stanley Morison escreveu uma dura crítica aos executivos do jornal londrino The Times sobre a forma como utilizavam a tipografia. Para Morison, que era consultor da empresa tipográfica Monotype Corporation, o jornal era mal impresso e tipograficamente antiquado, o que ia contra a reputação da empresa jornalística.

O The Times, que se orgulhava de ser reconhecido por sua tipografia, formou uma comissão para avaliar a carta do crítico e concluíram que ele estava correto. Morison foi convidado a liderar o projeto de uma nova fonte, que resultaria na Times New Roman. Sua estreia foi na edição de 3 de outubro de 1932.

A popularização, no entanto, aconteceu quando a Microsoft a adotou como padrão de seus programas, em 1992. A fonte só viria a perder o posto na gigante da tecnologia em 2007, quando foi substituída pela Calibri.

2. Calibri

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

Criada pelo designer holandês Lucas de Groot em 2002, a Calibri foi desenvolvida para integrar o Windows Vista. Os arquivos da fonte foram enviados à Microsoft em março de 2004 e as primeiras versões beta foram utilizadas pela empresa em agosto do mesmo ano.

Toda a estrutura do sistema operacional da empresa foi modificado para se adaptar à nova fonte, que viria a se tornar padrão nos produtos da companhia americana em 2007. No ano passado, a Microsoft anunciou que a fonte deixará de ser a padrão de seus softwares.

3. Palatino Linotype

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

Palatino é o nome dado a uma família de fontes tipográficas criadas pelo designer Hermann Zapf para a companhia Linotype, em 1951, na Alemanha. O nome da fonte foi inspirado no mestre de caligrafia italiano Giambattista Palatino. Ela é uma fonte baseada nas formas clássicas do renascimento italiano, conhecida por sua elegância e classe.

A Palatino é a fonte oficialmente adotada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que a torna queridinha entre os advogados. Sua versão itálica lembra a caligrafia das cartas que eram redigidas utilizando canetas tinteiro.

4. Century Gothic

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

Também desenvolvida pela Monotype, a Century Gothic é uma fonte tipográfica criada a partir da Twentieth Century. Ela manteve o estilo básico de sua predecessora, mas com modificações que lhe garantiram uma maior aceitação mercadológica. O design foi influenciado pelo estilo geométrico sem serifas, popular no início do século XX.

Ela faz parte de um seleto grupo de fontes usadas em mais de 85% de todos os computadores. Além disso, é considerada uma fonte econômica na impressão, pois seu traço mais fino poupa até 30% no consumo de tintas. É a fonte tipográfica do programa Star Trek: Enterprise e do filme 007 – Casino Royale.

5. Arial

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

Desenvolvida em 1982 para a empresa Monotype pelos designers Robin Nicholas e Patricia Saunders, a Arial é uma das fontes mais famosas e mais usadas do mundo. Seu design contemporâneo sem serifa faz dela uma fonte extremamente versátil.

Apesar de ter sido criada para a IBM, ganhou popularidade com a Microsoft, que a adotou como parte do conjunto de fontes do sistema para o Windows 3.1, em 1992. O que nem todo mundo sabe é que a empresa queria a Helvetica, mas não aceitava pagar o que a dona da fonte pedia. Há quem chame a Arial de “cópia grotesca da Helvética”.

6. Comic Sans

(Fonte: Reprodução)(Fonte: Reprodução)

De tendência à fonte tipográfica mais odiada — ao menos entre designers. Criada por Vincent Connare a pedido da Microsoft, em 1994, a Comic Sans fazia parte do projeto de uma interface gráfica alternativa para PCs com Microsoft Bob, que você desconhece a existência justamente por ter sido um fracasso.

Ainda que, ao fim, o programa tenha sido lançado sem a Comic Sans, a Microsoft a incluiu em um pacote de extras para o Windows 95. De acordo com seu criador, essa fonte nunca foi feita para usos sérios. O que ele não contava é que a Comic Sans seria uma febre mundial usada de maneira exagerada, a ponto de gerar um ódio de proporções inimagináveis.

More in Fatos&Fatos.com