6 curiosidades sobre os jardins suspensos da Babilônia

Os jardins suspensos da Babilônia são considerados uma das sete maravilhas do mundo — muito embora ninguém tenha certeza se eles de fato existiram. O que se imagina é que eles teriam sido construídos na Babilônia, localizada na região onde hoje está o Iraque.

Eles teriam sido uma obra do rei Nabucodonosor, no século VI a.C., sendo uma grande marca de seu reinado, conhecido por sua imponência. Conheça 6 curiosidades sobre esta maravilha arquitetônica.

Leia também: Você conhece as Sete Maravilhas do Mundo Antigo?

1. Ele tinha 6 andares

(Fonte: Paisageiro)(Fonte: Paisageiro)

Os jardins eram compostos por 6 terraços que foram construídos como andares, dando a ideia de serem elevadiços — daí surge a ideia de serem “suspensos”. Estima-se que cada andar tinha cerca de 120 m², apoiado por grandes colunas.

Cada um destes andares era cheio de árvores frutíferas, bichos exóticos e esculturas de deuses. Por serem próximos ao rio Eufrates, os jardins teriam um sistema de irrigação fluvial, que possibilitavam que sempre estivessem floridos e vistosos.

2. A origem dos jardins zoológicos

(Fonte: Varievo)(Fonte: Varievo)

Por conta de os jardins hospedarem muitos bichos exóticos (como faisões, cervos, pavões, e até leões e javalis), há uma crença de que eles teriam dado origem ao que hoje chamamos de jardins zoológicos, lugares especialmente preparados para a exposição de animais em cativeiro.

3. Eles foram feitos para agradar a esposa de um rei

(Fonte: Segredos do Mundo)(Fonte: Segredos do Mundo)

A mitologia em torno destes belos jardins é de que eles foram feitos pelo rei Nabucodonosor para tentar agradar e consolar sua esposa favorita, Amitis. Isto porque ela teria nascido na Média e sentiria saudade dos campos e das florestas de sua terra natal. Consta-se, inclusive, de que os jardins suspensos tinham acesso direto ao palácio do rei.

As lendas ainda contam que Nabucodonosor e Amitis aproveitavam muito os jardins: eles se encostavam à sombra de um dossel e ficavam saboreando uma bebida parecida com cerveja, feita de trigo e cevada. Alguns cidadãos sortudos, eventualmente, tinham também autorização do rei para aproveitar este pequeno paraíso.

4. Sua manutenção era feita por escravizados

(Fonte: Profissão História)(Fonte: Profissão História)

Uma obra deste tamanho e desta riqueza, obviamente, precisava de muito cuidado para não se degenerar. Acredita-se que havia uma equipe de “especialistas” que era responsável por manter os jardins. Esta equipe era formada por pessoas escravizadas, escolhidas por serem os jardineiros mais experientes das cidades conquistadas na Mesopotâmia. Também haviam guardas que protegiam a entrada e a saída dos jardins.

5. Havia uma “cascata” montada de forma manual

(Fonte: Segredos do Mundo)(Fonte: Segredos do Mundo)

Uma das representações mais marcantes dos jardins suspensos da Babilônia mostra uma cascata que caía do alto da construção. O curioso é que o sistema para manutenção desta cascata era interno: a água era levada para cima por baldes presos a uma polia que vinha de uma piscina alimentada pelo rio Eufrates. Os escravizados se revezavam com as manivelas, e eram responsáveis por manter a cascata em “ação”.

6. Há fortes suspeitas de que a localização dos jardins está errada

(Fonte: Hipercultura)(Fonte: Hipercultura)

Em 2013, a pesquisadora Stephanie Dalley, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, divulgou um estudo propondo uma nova localização dos jardins da Babilônia. Eles teriam existido em uma região chamada de Nínive, localizada no norte do Iraque — ou seja, a 550 km de onde se imaginou por séculos.

Além disso, Dalley propôs outra novidade: a de que os jardins teriam sido construídos não pelo rei Nabucodonosor, mas pelo rei Senaqueribe, que liderava os povos assírios — ou seja, os inimigos do babilônios.

More in Fatos&Fatos.com