6 curiosidades sobre o boto-cor-de-rosa, o golfinho de água doce

Habitante da região amazônica e membro do folclore brasileiro da região Norte, o boto-cor-de-rosa é uma espécie de golfinho, infelizmente ameaçado de extinção. Para vê-lo, os melhores locais são as bacias dos rios Amazonas e Orinoco.

Ele se difere de outras espécies por conta da anatomia de seu nariz e por não saltar para fora da água habitualmente. Além disso, sua cor rosa única o torna um animal atrativo para amantes da natureza, fato amplificado pelo misticismo que cerca a espécie. Ficou curioso? Temos seis fatos para você conhecer um pouco mais sobre esse impressionante animal marinho.

1. Seu nome é uma má tradução

(Fonte: Reprodução/Discover Wild Life)(Fonte: Reprodução/Discover Wild Life)

O nome boto-cor-de-rosa é resultado de um erro de tradução, de acordo com a doutora em Ecologia e Reprodução de Mamíferos Vera da Silva, integrante da Rede de Especialista em Conservação da Natureza e pesquisadora do Inpa.

Ela conta que, durante a filmagem de um documentário realizado por Jacques Cousteau na Amazônia, um erro de tradução da equipe de produção fez com que o animal, conhecido na região como boto-vermelho, fosse interpretado como cor-de-rosa. O nome pegou, exceto na região amazônica.

2. Tem o maior corpo e cérebro dos golfinhos de água doce

(Fonte: Reprodução/BBC)(Fonte: Reprodução/BBC)

Não somente de beleza vive o boto, de acordo com estudos, ele é o maior e mais inteligente das cinco espécies de golfinhos de água doce. Seu cérebro é bem grande, com 40% mais capacidade cerebral do que os humanos. 

Quando adulto, o boto-cor-de-rosa pode atingir 2,7 metros de comprimento, pesar até 181 quilos e viver por até 30 anos. E, embora sejam criaturas tímidas, essa espécie é atraídas por pessoas, sem registros de comportamento agressivo.

3. É personagem do folclore brasileiro

(Fonte: Reprodução/Brasil Educação)(Fonte: Reprodução/Brasil Educação)

O boto-cor-de-rosa faz parte do folclore brasileiro, em especial na região Norte do país. Apesar de um animal fantástico, sua representação no folclore carrega uma conotação negativa. Na história, o boto se transformaria em um homem muito bonito e sedutor que, ao assumir a forma humana, seduziria mulheres com o objetivo de engravidá-las.

Depois disso, elas seriam abandonadas pelo “malandro’, que retornaria ao rio em sua forma de boto-cor-de-rosa. Essa era uma história muito contada para explicar porque certas crianças não tinham o pai presente em sua criação.

4. Pode mudar de cor

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Golfinhos nascem cinzas, e isso vale também para os botos. Apesar da fama conquistada por conta de sua tonalidade rosa, a cor surge ao longo da vida, aumentando à medida que os animais envelhecem.

Machos costumam ser mais rosados do que as fêmeas, e quanto mais brilhante a tonalidade do rosa, mais atenção das fêmeas eles chamam. A cor que assumem pode ser influenciada por seu comportamento, dieta e, até mesmo, pela exposição à luz solar.

5. Um exímio atleta marinho

(Fonte: Reprodução/Aqua Expeditions)(Fonte: Reprodução/Aqua Expeditions)

Quando se trata de natação, os botos-cor-de-rosa são ágeis nadadores, já que as vértebras em seus pescoços não são fundidas como em outros golfinhos. Desta forma, a possibilidade de virar a cabeça num ângulo de 90 graus lhes permite manobrar em torno de obstáculos, como árvores e rochas.

Não é incomum vê-los nadando de cabeça para baixo. Esse recurso é utilizado para enxergarem melhor o fundo do rio e, apesar dos olhos pequenos, sua visão é magnífica dentro e fora da água. Além disso, seu senso de ecolocalização é extremamente eficaz para capturar presas.

6. É um animal solitário

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Golfinhos são geralmente vistos em grupos. Contudo, o boto-cor-de-rosa é frequentemente avistado sozinho ou com não mais que quatro indivíduos. Por essa razão, agências de conservação da natureza e da biodiversidade costumam classificá-los como “espécie deficiente de dados”.

Isso significa que as pesquisas sobre a espécie carecem de informações, visto que os botos-cor-de-rosa passam muito tempo abaixo d’água, o que dificulta com que sejam estudados. Soma-se a isso seu comportamento tímido dentro do ecossistema, ainda que, curiosamente, sejam bastante extrovertidos em relação aos humanos.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.