5 fatos que você não conhecia sobre as cantigas de roda

É impossível atravessar a infância sem nunca ter cantado uma cantiga de roda. As cantigas são elementos da cultura popular brasileira, e têm como característica o fato de serem bem ritmadas, com letras fáceis, onomatopeias e repetição de palavras (o que facilita a memorização das crianças). Além disso, elas normalmente são cantadas em grupo, em posição de roda, enquanto dançam.

Estas canções são consideradas patrimônio cultural do país. Sua autoria é desconhecida, mas sabemos que, provavelmente, foram criadas coletivamente – ou seja, alguém em algum lugar começou a cantar uma música; outras pessoas ouviram e acrescentaram um verso; outras colocaram uma estrofe, e assim por diante.

As cantigas de roda são importantes durante a infância por várias razões. Uma delas é que estas músicas estimulam o raciocínio, a musicalidade e a memorização nas crianças. E como são cantadas em grupo (a roda se refere à atividade dos pequenos que estão unidos em círculo), elas incentivam também que haja o compartilhamento e a convivência.

Confira alguns fatos interessantes sobre estas cantigas.

1. Elas tendem a envolver as crianças pelas histórias

(Fonte: Diversa)(Fonte: Diversa)

Músicas como “Atirei o pau no gato”, “A barata diz que tem” e “Sapo cururu” são focadas em animais, tema que costuma interessar os pequenos. Isto não é por acaso: a aproximação a assuntos do universo das crianças faz com que elas fiquem bastante engajadas com a letra, e não apenas com o ritmo da música. Esta é uma das razões pelas quais elas não costumam esquecer das cantigas.

2. Boa parte destas canções veio da Europa

(Fonte: Arco Iris)(Fonte: Arco Iris)

A maior parte das cantigas de rodas que conhecemos vieram por meio de imigrantes espanhóis e portugueses, com a colonização. Com o tempo, claro, elas foram sendo modificadas e adaptadas para o português do Brasil.

Não sabemos exatamente quando as primeiras cantigas infantis foram criadas, mas temos algumas pistas. O primeiro livro que juntou cantigas de roda se chamava Tommy Thumb’s Song Book e foi publicado por Mary Cooper em 1744, na Inglaterra. Acredita-se que estas cirandas foram feitas para ajudar as crianças a dormir.

3. Elas normalmente têm uma fórmula

(Fonte: Carta Capital)(Fonte: Carta Capital)

O músico e psicólogo Hamilton Catette observa que as cantigas de roda costumam repetir uma fórmula: a repetição de palavras, o uso de onomatopeias e uma pitada de tragédia. Ou seja, sempre há algum acontecimento minimamente trágico — como o Cravo que brigou com a Rosa ou o Pai Francisco que foi para a prisão.

Isto não é por acaso. Deste modo, as músicas estimulam vários aspectos cognitivos das crianças, como o desenvolvimento emocional, a fala e a percepção do mundo.

4. Algumas referem-se a momentos condenáveis da história

(Fonte: Projeto Colabora)(Fonte: Projeto Colabora)

Já cantou os versos “Samba Lelê tá doente, tá com a cabeça quebrada, Samba Lelê precisava é de uma boa palmada”? Pois saiba que ela se refere um escravo que, por desobedecer ao seu senhor, merece apanhar. Obviamente que as crianças e os educadores que repetem a música não estão louvando o horror da escravidão, mas inconscientemente acabam perpetuando essas histórias.

5. Elas ensinam as crianças a lidar com o sofrimento

(Fonte: Fábio Arantes/ Secom/ PMSP)(Fonte: Fábio Arantes/ Secom/ PMSP)

Hamilton Catette ainda destaca outro fator fundamental nestas canções antigas: elas auxiliam as crianças no aprendizado sobre o sofrimento, trazendo consciência sobre a dor e segurança em relação a ela.

O psicólogo informa que músicas como “Atirei o pau no gato” ou “Samba Lelê” fazem com o que os pequenos comecem “a aprender como lidar com o sofrimento. Por isso essas canções perduram tanto, assim como os contos de fadas”.

More in Fatos&Fatos.com

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2020 powered by fatos&fatos.com.